artistasgauchos









Desenvolvido por:
msmidia

Literatura

Contradições
Ana Mello

A vida é cheia delas, eu já sei, faz tempo.

Uma amiga de uma amiga minha falou uma vez que o marido nunca lembrava os aniversários. Do dia em que ela nasceu e nem o dia em que eles casaram. Da primeira vez foi a maior crise, ela chorou, ficou emburrada, quase se separou, mas como gostava muito do sujeito, por conselho de uma outra amiga, resolveu alertá-lo de véspera. Sempre dava um jeito de avisar, com tempo, para que ele pudesse comprar um presentinho, fazer uma surpresa, um convite para jantar ou algo assim.

Também comprava presentes para encantá-lo no aniversário dele e no do casamento deles. Aqueles presentes que se não agradam pela escolha, pelo menos demonstram a preocupação que a pessoa teve em procurar e em tentar agradar o presenteado.

Tudo isso para que ele também entendesse a importância que ela dava para essas datas.

Ele entendia as indiretas e na maioria das vezes lembrava-se das datas, claro, sem a devida importância ao fato.

Muitos e muitos anos sem se encontrar, as amigas se cruzaram novamente e falaram no já citado marido. A esposa confessou que isso era uma grande contradição da vida dela. A pessoa que ela mais amava era tão diferente nos valores e tão pouco perspicaz para perceber o que ela sentia sem que ela tivesse que dizer.

A outra logo perguntou que mal havia em dizer determinadas coisas, se realmente era tão importante para ela.

Ela pensou um pouco e respondeu que certas coisas perdem a graça se a gente tiver que dizer. O quanto é bom receber presentes inesperados simplesmente porque aquele dia você foi lembrado. Ele fechou a janela porque suas margaridas não gostam de vento, deixou o último pedaço de queijo porque sabe que você adora comer queijo no café da manhã. É uma deferência, uma gentileza especial. Uma revelação de amor.

Por fim ela disse que o amor é mesmo uma contradição, pois passamos a vida procurando alguém que nos ame incondicionalmente, que atenda nossas necessidades sem que precisemos sequer pensar nelas e o que fazemos é o contrário. Para sermos amados, amamos.


16/03/2012

Compartilhe

 

Comentários:

Ana, estou ficando viciada nos teus escritos;cada um que leio, gosto mais do que o antecedeu.Os teus textos são deliciosos.No meu caso, sou eu que esqueço as datas.Acho que são truques comerciais para estimular o consumismo.Dou presentes quando encontro alguma coisa que sei que a pessoa vai gostar, sem necessidade de data comemorativa.Um abraço.
Ecylda, Porto Alegre - RS 10/02/2014 - 00:30

Envie seu comentário

Preencha os campos abaixo.

Nome :
E-mail :
Cidade/UF:
Mensagem:
Verificação: Repita os caracteres "203411" no campo ao lado.
 
  

 

  Ana Mello

Ana Mello é escritora e publica em diversos sites na internet. Escreve poesias, contos e crônicas. É coordenadora do Movimento Poetrix no Rio Grande do Sul. Apaixonada por minicontos, ministra oficinas em cidades como Cachoeirinha e Osório.

anaelyod@yahoo.com.br
minicontosanamello.blogspot.com
twitter.com/anamello


Colunas de Ana Mello:


Os comentários são publicados no portal da forma como foram enviados em respeito
ao usuário, não responsabilizando-se o AG ou o autor pelo teor dos comentários
nem pela sua correção linguística.


Copyright © msmidia.com







Cursos em Porto Alegre

Cursos de Escrita

Cursos para escritores

Confira cursos e oficinas exclusivos feitos especialmente para escritores ou aspirantes a escritores.

Mais informações


Cursos de Escrita

Oficinas literárias

Oficinas de criação literária e escrita criativa em Porto Alegre.

Mais informações

 


Apoio Cultural