artistasgauchos












Desenvolvido por:
msmidia

Mercado editorial

Nada como água para a crise
Paulo Tedesco

Em tempos de descalabro da cultura brasileira, momento talvez ainda pior do que nos primeiros meses do malfadado Collor de Melo, quando foram extintos muitos órgãos promotores da cultura, vivemos, nesse exato momento, mais um desenfreado ataque neoliberal à promoção da cultura no país.

Por óbvio que os produtores de cultura original e positiva, ou seja, aqueles que não são acolhidos pelo mainstream nem vêm com selo de garantia do exterior, são os primeiros a serem atingidos.

Autores que preservam sua autonomia, editoras que antes buscavam inovação e muitas vezes contavam com importantes suportes no estado e nas estatais, feiras e festivais literários, e no caso do sistema S, onde o SESC tem presença destacada, todos esses e outros tantos hoje estão reféns da nova insanidade pública que foi guindada ao poder.

E a resposta? Qual a melhor resposta? O Pedro Herz, comandante da Livraria Cultura, que se alinhou e defendeu o que aí está, espero, esteja mordendo a língua, e é o exemplo do que não deve ser feito. Quem se alia a monstros é por eles devorado.

A melhor resposta, além de uma necessária mobilização, está na postura independente do autor e dos agentes da cultura. Uma visão empresarial mais profunda, com planos de longo prazo, onde a aliança com parceiros para promover e de fato pagar pelos seus trabalhos, parece um dos mais seguros caminhos.

Em outras e importantes palavras, se estão asfixiando a lei Roaunet, se estão acabando com os incentivos da Petrobras (assim como a própria empresa com a privatização das refinarias e do pré-sal), se estão fazendo de tudo para acabar com o melhor da cultura nacional, nos cabe contrapor com inteligência e não ficar esperando as coisas mudarem, porque elas não irão.

Tem que lutar por novos caminhos, tem que buscar linhas de venda para outros centros, tem que não se limitar ao que até agora tínhamos, e principalmente, buscar parcerias porque os novos caminhos de leitura e produção editorial surgem a cada dia, a se ver pelo audiolivro e outras atualizações em formatos de livros e venda que são notícia a diário. E lembrando do clichê do Bruce Lee: “sejamos água”.

21/03/2019

Compartilhe

 

Comentários:

Envie seu comentário

Preencha os campos abaixo.

Nome :
E-mail :
Cidade/UF:
Mensagem:
Verificação: Repita os caracteres "125807" no campo ao lado.
 
  

 

  Paulo Tedesco

É escritor de ficção, cronista e ensaísta, atua como professor e desenvolvedor de cursos em produção editorial e consultoria em projetos editoriais, também como orientador em projetos de inovação em diferentes setores. Trabalhou nos EUA, onde viveu por cinco anos, nas áreas de comunicação impressa, indústria gráfica e propaganda. É autor dos livros Quem tem medo do Tio Sam? (Fumprocultura de Caxias do Sul, 2004); Contos da mais-valia & outras taxas (Dublinense, 2010) e Livros: um guia para autores (Buqui, 2015). Desenvolveu e ministra o curso de Processos Editorais na PUCRS e coordena o www.consultoreditorial.com.br atendendo autores e editores. Pode ser acompanhado pelo seu site, pelo Facebook ou pelo Twitter.

paulotedescoescritor@gmail.com
www.consultoreditorial.com.br
https://www.facebook.com/paulotedescoescritor?ref=bookmarks


Colunas de Paulo Tedesco:


Os comentários são publicados no portal da forma como foram enviados em respeito
ao usuário, não responsabilizando-se o AG ou o autor pelo teor dos comentários
nem pela sua correção linguística.


Copyright © msmidia.com







Cursos em Porto Alegre

Cursos de Escrita

Cursos para escritores

Confira cursos e oficinas exclusivos feitos especialmente para escritores ou aspirantes a escritores.

Mais informações


Cursos de Escrita

Oficinas literárias

Oficinas de criação literária e escrita criativa em Porto Alegre.

Mais informações

 


Livros em destaque

O Guardião da
Chave Dourada

Airton Ortiz

Fundamentos à prática de revisão de textos

A Fantástica Jornada do Escritor no Brasil

 

compre nossos livros na