artistasgauchos









Desenvolvido por:
msmidia

Literatura

Uma novela para ler de graça
Marcelo Spalding

Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades. Na Era do livro digital, e-book, etc, o sonho dos escritores aos poucos deixa de ser publicar um livro impresso e autografar na Feira e passa a ser publicar seu livro na internet e receber bons comentários dos seus colegas e leitores. Os motivos são vários, dos custos baixos da web à precarização do mercado editorial (especialmente local), e a onda é tão forte que aos poucos também escritores "da velha guarda", identificados com livros e papéis, disponibilizam suas obras gratuitamente online para quem tiver disposição de baixá-las.

O poeta Paulo Roberto do Carmo, por exemplo, há mais de ano disponibiliza sua vasta obra poética para download no site www.paulorobertodocarmo.com. Autor de mais de 10 livros, investiu o equivalente a uma edição impressa na digitalização de suas obras, acreditando dessa forma facilitar o acesso a sua poesia.

Mas o caso que queremos tratar de perto nesta resenha é do jornalista e escritor Adroaldo Bauer. Autor de diversos poemas chamados de Poemethos, Adroaldo em 2007 lançou seu primeiro livro impresso, a narrativa O Dia do Descanso de Deus. Com tiragem de 1000 exemplares, a obra em dois anos esgotou-se entre vendas e distribuição do autor, e agora sua escolha foi manter uma nova edição apenas online com a curiosa chamada "uma novela para ler de graça" (confira aqui).

O dia do descanso de Deus remete ao estupro e assassinato de uma bela mãe de família, Divina, esposa do considerado e temido Romão, por um grupo de quatro adolescentes recém aprovados no vestibular de Medicina. Com a tragédia, Romão manda os filhos para a capital, aos cuidados de duas tias, e o narrador - entre avanços e recuos no tempo - vai revelando ao leitor uma intrincada trama em que as histórias das vítimas e algozes se cruzam em tantos outros momentos na cidadezinha do interior, relação sempre marcada por questões de classe.

Pelo enredo policial e a reconstrução de época - a história se passa na Porto Alegre dos anos de chumbo, do Restaurante Morrinhos -, Adroaldo consegue prender o leitor. Além disso, constrói uma história ideológica sem ser panfletária, que apenas nas entrelinhas denuncia algumas barbaridades que esse país parece tentar jogar para debaixo do tapete.

De se lamentar é que nosso mercado editorial seja tão restrito e um autor como Adroaldo não tenha tido, nem na versão impressa, muitos menos agora na versão online, um olhar de fora para seu livro, um olhar crítico, distanciado, capaz de perceber algumas questões técnicas que por vezes atrapalham o desenrolar da leitura, como alguma confusão na troca de espaço e tempo (que às vezes se alteram na mesma página, sem indicação), a onisciência exagerada no narrador (que sabe tudo e antecipa muitos fatos importantes), e o excesso de interrupções com flashbacks, que impedem a história principal de se desenrolar.

Fosse a novela mais concisa, mantivesse mais do seu suspense e do seu mistério, revelando menos nas linhas e mais nas entrelinhas, deixando para o final as questões fundamentais, estaríamos diante de uma belo conto policial gaúcho capaz de, quem sabe, inaugurar uma série. E fica o conselho ao Adroaldo e a todos os escritores que vêm migrando do papel para a web: na Era Digital não existe versão acabada, sempre é tempo de mudar, transformar, acrescentar, continuar.

Talvez seja exatamente esse diálogo com o leitor, os colegas e os críticos que falte para tantos e tantos livros impressos, e seja isso mesmo que os escritores busquem ao lançar um e-book, um blog ou um site. No fim das contas quem ganha com isso é o leitor e a literatura, pois agora temos boas novelas para se ler de graça ao alcance de um clique.


20/02/2010

Compartilhe

 

Comentários:

Bom texto esta coluna, com assuntos interessantes que vão variando no decorrer da narrativa do cronista. Faz a gente repensar projetos editoriais, este é o avanço, o movimento natural da literatura. As ferramentas mudam de formato, o pensamento, a moral, as atitudes, os valores, a estética... mudam... e mudamos nós, a sociedade. Mas acredito muito no poder de fixação do livro impresso, porém vamos migrando lentamente, usando as duas e tantas ferramentas que façam andar nossa literatura, nossas impressões e expressões.
Vladimir Santos, Porto Alegre 23/06/2010 - 11:36
Considerado Marcelo,
Agradecido pelo olhar crítico, também de leitor, sobre a minha primeira novela.
A ti e às demais pessoas, cabe a explicação que ela, a narrativa, veio produzida sem método ou debate editorial.
Por escrever há 35 anos de ofício como jornalista, me atrevi (digo que cometi a aventura) a contar uma história mais longa, em prosa de ficção.
E ela brotou por inteiro assim como foi impressa, com uma intensa pressão das próprias personagens e mesmo da circunstância do autor, que acabei sendo também editor da obra, que pensava, sim e ainda, nos custos de uma outra aventura, que é a edição do livro.
Não são argumentos de justificativa.
São explicação de processo, entanto.
Há várias leituras possíveis e níveis diversos de aproximação com os nexos de conteúdos e a relação entre eles na trama.
De acordo, sim: não é uma narrativa linear.
Também tenho acordo e alerto sempre o leitor, que não é obra pra ler espaçadamente.
É aconselhavável o que se conhece por "leitura de um fôlego só", pra não perder-se o fio da meada, o que bem alertas também ao dizer que os tempos da narrativa trocam em uma mesma página, sem alertas. E isso não ocorreu por método planejado, sendo mais resultado do processo da criação em si, sem método.
Sobre a onisciência de narrador, uma novidade para a qual não havia prestado atenção, nem outros leitores que a comentaram me dissseram algo a respeito, penso que devo aprender um tanto mais sobre a técnica da narrativa pra chegar ao que gentilmente sugeres: revelar nas entrelinhas mais que nas linhas e dar mais suspense pra chegar a um belo conto que talvez inagurasse uma série.
Posso te dizer e aos demais leitores nossos aqui, porque já era propósito meu desde aquele epílogo em que conversam Laurita e Romão sobre o desafeto Deodato, que um segundo episódio com parte das personagens deste está sendo feita, tendo um capítulo já escrito, em que se apresentam as estruturas de toda uma trama.
Como nos falamos antes, quando te solicitei a resenha e gentilmente te prontificaste a fazê-la, Marcelo, fico muito agradecido pelo feito.
Terno abraço,
Adroaldo Bauer
Adroaldo Bauer Spíndola Corrêa, Porto Alegre 22/02/2010 - 09:32

Envie seu comentário

Preencha os campos abaixo.

Nome :
E-mail :
Cidade/UF:
Mensagem:
Verificação: Repita os caracteres "413402" no campo ao lado.
 
  

 

  Marcelo Spalding

Marcelo Spalding é formado em jornalismo e mestre em Literatura Brasileira pela UFRGS, professor da Oficina de Criação Literária da Uniritter, editor do portal Artistas Gaúchos, autor dos livros 'As cinco pontas de uma estrela', 'Vencer em Ilhas Tortas', 'Crianças do Asfalto', 'A Cor do Outro' e 'Minicontos e Muito Menos', membro do grupo Casa Verde e colunista do Digestivo Cultural. Recebeu o Prêmio AGES Livro do Ano 2008 pelo livro 'Crianças do Asfalto', categoria Não-Ficção, e o Prêmio Açorianos de Literatura em 2008 pelo portal Artistas Gaúchos.

marcelo@marcelospalding.com
www.marcelospalding.com
www.facebook.com/marcelo.spalding


Colunas de Marcelo Spalding:


Os comentários são publicados no portal da forma como foram enviados em respeito
ao usuário, não responsabilizando-se o AG ou o autor pelo teor dos comentários
nem pela sua correção linguística.


Copyright © msmidia.com







Cursos em Porto Alegre

Cursos de Escrita

Cursos para escritores

Confira cursos e oficinas exclusivos feitos especialmente para escritores ou aspirantes a escritores.

Mais informações


Cursos de Escrita

Oficinas literárias

Oficinas de criação literária e escrita criativa em Porto Alegre.

Mais informações

 


Apoio Cultural