artistasgauchos









Desenvolvido por:
msmidia

Música

Entrevista exclusiva com o músico Felipe Azevedo
Marcelo Spalding


Felipe Azevedo é compositor e violonista, premiado com 5 prêmios Açorianos, além de prêmios em festivais locais e nacionais. Acaba de ser contemplado com um prêmio da FUNARTE que viabilizará a produção do próximo disco. Nesta entrevista, fala sobre seu trabalho, o atual momento da música e a necessidade de profissionalização do artista:

Marcelo Spalding - Vamos começar pela novidade: o prêmio da FUNARTE que viabilizará a produção do próximo disco, Tamburilando Canções. O anterior já havia sido fruto de uma premiação, então ao que você atribui tais prêmios?

Felipe Azevedo - Quando se participa de um concurso, um processo de seleção dificilmente se sabe que critérios irão embasar, fundamentar as escolhas de um júri, entretanto, creio que a coerência e a fundamentação que norteiam a produção de um trabalho autoral sempre são requisitos bem vindos, o que requer de uma autoralidade muita reflexão e labuta no processo de criação. No que se refere a estas duas premiações - Prêmio Petrobrás Cultural e Funarte - referentes ao meu disco anterior (Percussìvé ou a prece do louva-a-deus) e a este novo (Tamburilando Canções - Felipe Azevedo - Violão com Voz) creio que a continuidade e a maturação perceptíveis num processo autoral em andamento, tenham norteado a escolha de ambos juris.

Esse tipo de prêmio contribui muito na produção, mas qual é hoje a maior dificuldade de um artista com trabalho autoral? A divulgação, a distribuição?

Produção, divulgação e distribuição são etapas que agregam uma ação final: atingir um público. Existem compositores, e conheço alguns, que produzem e se plenificam nesta instância; não querem e não estão preocupados, em gravar, divulgar, etc. Entretanto, há outros que ao se integrarem paulatinamente em todo este processo se deparam com um contexto chamado mercado cultural: uma outra engrenagem paralela à ação artística - a produção, os meandros mercadológicos, divulgação na imprensa, distribuição, etc. Acho que o que realmente desgasta é o artista ter de se envolver com estes processos, muitas vezes por não ter quem o faça, e neste envolvimento desperdiçar a sua melhor energia que é a da criação. A divulgação e a distribuição são peças desta engrenagem mercadológica que num país das proporções do nosso complica bastante as coisas.

Como tu vês o cenário atual da música hoje? Há espaço para mais trabalhos autorais ou as músicas comerciais ainda concentram muito o merado?

Acho que um trânsito paralelo sempre existiu - músicas de maior visibilidade, algumas de consumo imediato, e músicas voltadas para nichos de público mais específicos. O que é curioso é que cada vez mais o mesmo público que 'degusta' a música de 'efeito imediato' também pode estar adorando 'degustar' outras músicas, e creio que a versatilização do acesso da música até o público via recursos tecnológicos como este espaço (o AG) têm encurtado gradativamente estas distâncias atuando inclusive na diversidade do 'gosto' popular.

Tamburilando Canções será novamente um álbum de voz e violão, certo? Por que essa opção estética?

Não. Tamburilando Canções será novamente um disco de Violão com Voz, com mais proximidade ao anterior e ainda recente, o Percussìvé ou a prece do louva-a-deus. A opção estética é fruto de duas razões: uma circunstancial e outra estética de fato. A circunstancial gerada pelo desejo de independizar a atuação musical desvinculando outros acompanhamentos instrumentais. Hoje em dia vender um show em que se tenha que pagar o cachê de músicos competentes e qualificados que estejam te acompanhando, nem sempre é fácil, aliás, é custoso muitas vezes financeiramente. Então a prerrogativa da atuação solo tomou proporções expressivas. A segunda razão é fruto da pesquisa sobre o potencial do meu instrumento de trabalho e veículo de expressão - o violão. Na história do cancioneiro popular brasileiro o violão - conforme o etnomusicólogo Carlos Sandroni- acabou se constituindo num instrumento de síntese. À medida que fui sistematizando as funcionalidades do instrumento no meu processo criativo também percebi o quanto de recursos ele oferece, e o resultado disto foi uma mudança radical na minha maneira de pensar, de abordar a canção, o fazer canção. Para mim a canção hoje não é uma escuta de uma melodia principal sendo acompanhada por um violão, e sim uma melodia - no caso a voz - dialogando, interagindo simultaneamente com o violão e vice-versa, daí o nome Violão com Voz. Por sua vez todos os ingrediente desta canção: letra, desenho melódico, ambientação sonora, entoação do canto... todos também assumem função interativa na internalidade desta canção. O resultado disto é que a escuta fica dilatada. Não há um ponto fixo de escuta: a voz, a melodia, os acordes, a letra e sua temática etc. Tudo está interligado,integrado e fazendo parte de um todo, ou seja para perceber as partes é necessário atentar ao todo.

Além de músico, tu também escreves comentários sobre música no AG e em outros veículos. Como tu vês a crítica musical hoje em dia?

Acho que as palavras do crítico musical Arthur Nestrovski respondem a esta questão. Hoje em dia se vê muita opinião de gosto pessoal e pouquíssima análise reflexiva, embasada sobre música. No que se refere àquilo que faço no AG, tecer comentários, é exercitar o ofício de uma reflexão embasada sobre música, mesmo porque não tenho pretensão nenhuma de ser crítico musical.

Muito se discute, aqui no site, a profissionalização do artista, e eu que acompanho tua carreira de anos fico feliz em perceber que tens obtido sucesso como profissional que vive de música. Qual o segredo?

Persistir e refletir muito sobre o fazer musical e as escolhas profissionais. É um trabalho de muita persistência e fôlego e um aprendizado constante. As melhores respostas nem sempre são as primeiras que surgem e às vezes são.

Uma dica para quem gostaria de viver de música.

Pensar muito se realmente deseja seguir este caminho. Para mim o fato desta estar profundamente incruada na minha vida existencial e sensível já bastou para a escolha. Respiro e vivo muito da e de música.


25/11/2008

Compartilhe

 

Comentários:

Envie seu comentário

Preencha os campos abaixo.

Nome :
E-mail :
Cidade/UF:
Mensagem:
Verificação: Repita os caracteres "503712" no campo ao lado.
 
  

 

  Entrevistas

As entrevistas publicadas no portal Artistas Gaúchos são feitas pela equipe do portal, mas se você deseja enviar uma entrevista, entre em contato com o editor do portal.

editor@artistasgauchos.com.br


Colunas de Entrevistas:


Os comentários são publicados no portal da forma como foram enviados em respeito
ao usuário, não responsabilizando-se o AG ou o autor pelo teor dos comentários
nem pela sua correção linguística.


Copyright © msmidia.com







Cursos em Porto Alegre

Cursos de Escrita

Cursos para escritores

Confira cursos e oficinas exclusivos feitos especialmente para escritores ou aspirantes a escritores.

Mais informações


Cursos de Escrita

Oficinas literárias

Oficinas de criação literária e escrita criativa em Porto Alegre.

Mais informações

 


Apoio Cultural