artistasgauchos









Desenvolvido por:
msmidia

Literatura

"A arte é sempre subversão"
Valesca de Assis



Leonardo Brasiliense: Valesca, não há razão para rodeios quando se pode ir direto às perguntas difíceis: por que escrever?

Valesca de Assis: Escrevo como uma necessidade de expressão estética e, até, terapêutica. É o meu canal de comunicação com o mundo, a minha maneira de transformar a realidade.

Leonardo Brasiliense: Tuas primeiras três novelas (A valsa da Medusa, A colheita dos dias e Harmonia das Esferas) tinham um caráter trágico intenso. Depois vieram as novelas dirigidas ao público juvenil (Diciodiário e Vão pensar que estamos fugindo). Essa mudança foi por acaso (por conjunturas externas) ou teve algum motivo mais pessoal?

Valesca de Assis: Diciodiário nasceu de uma provocação da Elaine Maritza, da Artes e Ofícios, para que eu escrevesse uma história sobre "grilos" de adolescentes. Foi um grande e novo aprendizado. Gostei muito de escrever, tanto que seguiu-se a ele o Vão pensar que estamos fugindo! Talvez o fato de ter me tornado avó, tenha me motivado para outras escritas... Mas, também, trabalho em uma novela muito trágica, há cinco anos. Tem-me faltado tempo emocional para concluí-la.

Leonardo Brasiliense: Tu vês algum aspecto negativo nessa proliferação de literatura dita "juvenil" se compararmos o cenário atual com o da nossa adolescência, quando o que tínhamos à disposição era simplesmente literatura, sem tantos rótulos? Não pode haver aí uma tendência (pela força que o mercado tem para "direcionar" as coisas) a restringir a experiência literária do jovem apenas à sua realidade humana mais imediata?

Valesca de Assis: Uma boa literatura infanto-juvenil é fundamental para que não se perca o leitor adulto. Quantas desistências aconteceram porque, a certa altura da vida, não se tinha a bagagem necessária para ler a melhor das literaturas, como a de Machado de Assis ou de Eça de Queirós.

Leonardo Brasiliense: Ministras uma oficina de criação literária voltada ao desbloqueio criativo. Podes nos falar um pouco disso? Vai uma provocação: o bloqueio criativo não pode ser somente um sinal de que o sujeito não tem de fato uma história para contar?

Valesca de Assis: Estou convicta, por experiência, de que as idades que vivemos depositam-se, camada sobre camada, em nosso terreno geológico pessoal. É a família, a escola, a sociedade, todos trabalhando para que nos acomodemos a regras. E a arte é sempre subversão. De repente, quando resolvemos escrever, estamos congelados. Então, a partir de certa altura, comecei a pesquisar esse assunto e a descobrir maneiras de chegarmos diretamente à nossa fonte criadora. Todos têm uma história para contar; o que pode acontecer é que não alcancem a transcendência ao escrever, ou seja, não produzam literatura. De qualquer modo, exercitarão sua criatividade em outros tantos setores da vida.

Leonardo Brasiliense: Além das oficinas, sei que também dás palestras em escolas. Esse tipo de evento é mais comum hoje do nunca, e de forma crescente. Vamos deixar de lado as Faculdades de Letras, onde o interesse do público é acadêmico. Vamos pensar apenas nas escolas de Ensino Fundamental e Médio: achas que esse contato é realmente necessário ou quem sabe seja um indicador de que os professores não estejam conseguindo transmitir aos alunos a importância da literatura em sua formação humana, tendo que colocar na frente deles o escritor em carne e osso, como antigamente se dava Biotônico Fontoura às crianças para lhes abrir o apetite?

Valesca de Assis: Gosto do contato com os estudantes. Penso que o fato de conhecerem o autor, aumenta, neles, o interesse pela literatura e pela expressão em geral. No entanto, em nosso caso, é fundamental que os professores preparem os alunos, mediante leituras e discussões prévias, a fim de que o encontro seja enriquecedor para as duas partes: o leitor e o escritor. Não podemos esquecer, também, que vivemos um tempo de muita exposição: não basta escrever e publicar: é preciso estar junto, ser tocado, provar ser de carne e osso.

Leonardo Brasiliense: É inevitável e os teus leitores têm curiosidade: o que vem por aí?

Valesca de Assis: Além da novela em andamento, tenho, pronto, um texto infantil à busca de editor. Também deve sair, em breve, a terceira edição, revisada, de A valsa da medusa. Sigo, ainda, no projeto de uma série de livros infanto-juvenis com episódios da História do Brasil. Vão pensar que estamos fugindo! foi o primeiro.

Leonardo Brasiliense: E pra terminar, por favor, algumas dicas de quem sabe fazer aos que estão se iniciando na arte.

Valesca de Assis: A regra de ouro é ler, ler muito e sempre! Depois, praticar, escrevendo e reescrevendo até já não ter mais dedos. Uma coisa muito importante é a leitura, em voz alta, do próprio texto. E, se puder, encontre um grupo que goste da mesma coisa e que seja crítico na medida certa; gente que use uma tesourinha de açúcar para cortar os inços dos textos de aprendiz.


02/10/2008

Compartilhe

 

Comentários:

Oportuamente, enviarei com formas e cores fantasias e realidades do meu mundo.
varne, Valença -Ba 14/08/2012 - 11:09
Gostei do porque escreve. Tambem falo com pinceis e tinta, o mundo, das cois naturais e da artificialidade em que nos tranformaram. Gostei muito de Deus segundo Spinosa. Umm beijo.
varne, Valença - Ba 14/08/2012 - 11:06

Envie seu comentário

Preencha os campos abaixo.

Nome :
E-mail :
Cidade/UF:
Mensagem:
Verificação: Repita os caracteres "325405" no campo ao lado.
 
  

 

  Entrevistas

As entrevistas publicadas no portal Artistas Gaúchos são feitas pela equipe do portal, mas se você deseja enviar uma entrevista, entre em contato com o editor do portal.

editor@artistasgauchos.com.br


Colunas de Entrevistas:


Os comentários são publicados no portal da forma como foram enviados em respeito
ao usuário, não responsabilizando-se o AG ou o autor pelo teor dos comentários
nem pela sua correção linguística.


Copyright © msmidia.com







Cursos em Porto Alegre

Cursos de Escrita

Cursos para escritores

Confira cursos e oficinas exclusivos feitos especialmente para escritores ou aspirantes a escritores.

Mais informações


Cursos de Escrita

Oficinas literárias

Oficinas de criação literária e escrita criativa em Porto Alegre.

Mais informações

 


Apoio Cultural