artistasgauchos












Desenvolvido por:
msmidia

Literatura

Houve um Verão
Lucas Deschain

Quando vi que Houve um Verão, do escritor gaúcho Sergio Napp, era descrito como um romance de formação, não escondi minha curiosidade, apreciador dos famosos bildungsromans que sou. Tão logo ele chegou aqui em casa e já o devorei, é deveras um livro delicioso de ler, pela leveza de sua narrativa e pelo frescor de suas ideias, que, se não são explosivas, são fortes o suficiente para nos tirar da “zona de conforto” e nos fazer pensar.

O protagonista da história é Gabriel, um menino (ou guri) que vai se tornando adulto conforme avança o livro. Sua história é contada por ele mesmo, que vai encadeando os fatos de sua vida de modo a pôr em relevo sua constituição enquanto adulto. Por isso é que não faltam relatos acerca dos desafios, situações-limite e dilemas que ele vivenciou ao longo de sua trajetória existencial.

Gabriel perdeu o pai bastante cedo, aos cinco anos, passando, a partir dali, a se ligar intensamente à mãe, que se torna sua confidente e grande companheira, com quem ele divide suas dúvidas e com quem enfrenta os embaraços de certos assuntos, como drogas e garotas, por exemplo.

Napp é econômico e valoriza muito o dinamismo da história, não à toa que, ainda que seja um relato em primeira pessoa – propenso a divagações – a história esteja repleta de diálogos. Eles são o próprio corpo da trama, já que ocupam posição de destaque na constituição dos relatos e eventos.

Desse uso abundante de diálogos que advém o ritmo do livro, deliciosamente fugaz. Dá para ler em uma ou duas sessões de leitura. A história de Gabriel mistura elementos interessantes: um amálgama do jeito “machão” do pai, um homem propenso a explosões e palavrões; e a candura e resolução da mãe, uma mulher muito bem resolvida e decidida, que não usa meios-termos nem hesita perante as decisões que tem que fazer.

Outro dos pontos positivos de Houve um Verão é que, como uma história que quer mostrar o desenvolvimento de uma criança até se tornar madura e adulta, ele não se torna artificial. No sentido de pôr em relevo o processo de desenvolvimento, o autor corre um grande risco de “forçar” os elementos à coerência. Napp felizmente lida muito bem com isso, apesar de em alguns momentos transigir demais alguns elementos da trama, como quando Gabriel tem de lidar com brigões e com as chacotas que lhe são dirigidas. Detalhes, apenas.

Acompanhamos Gabriel no seu crescimento e socialização, como quando tem de se separar da mãe para ir à escola, quando se torna o herói do time do colégio no futebol, quando começam a puberdade e todas as clássicas mudanças corporais e espirituais, quando ele passa pelos dilemas da adolescência e assim por diante. É realmente um livro que dificilmente nos deixará indiferentes, até porque o que narra é um processo pelo qual todos passamos ou passaremos, sob formas diferentes talvez, mas partilhadas ainda assim.

A única coisa que, confesso, fiquei esperando aprofundamento foi quando de um dos momentos-chave do desenvolvimento de Gabriel: seu walkabout no deserto do Atacama. Quando vi que ele iria para lá para meditar, refletir e conhecer seus próprios limites, fiquei empolgadíssimo esperando mergulhos introspectivos, experiências extremas e toda a sorte de questionamentos filosóficos e metafísicos; mas Napp foi muito conciso, nos deixando mais a par dos fatos propriamente ditos do que das viagens internas do protagonista. Queria algo mais subversivo e mais visceral, mas, no cômputo final, há sim transcendência, característica essencial de um bildungsroman que se preze.

Conhecido por suas histórias publicadas nas coletâneas Ficção de Polpa, Napp consegue em Houve um Verãosequestrar o leitor e fazê-lo trilhar com Gabriel a jornada da vida sem forçar lições de moral nem cruzadas que se aproximem perigosamente da auto-ajuda. Antes de um pragmatismo mecânico, Napp valoriza o valor subjacente de uma história bem contada, que mantém seus sentidos mais profundos nas entrelinhas, a ser descoberto pelo leitor que quiser por elas se aventurar. Um livro que nos deixa sedentos por mais.

Houve um Verão
128 páginas
Preço Sugerido: R$ 35,00


17/04/2012

Compartilhe

 

Comentários:

Envie seu comentário

Preencha os campos abaixo.

Nome :
E-mail :
Cidade/UF:
Mensagem:
Verificação: Repita os caracteres "320609" no campo ao lado.
 
  

 

  Resenhas

As resenhas pubicadas no portal Artistas Gaúchos são de inteira responsabilidade dos articulistas. Se você deseja enviar um texto, entre em contato com o editor do portal. Não é necessário estar cadastrado no portal para enviar resenhas e a veiculação ou não é uma escolha editorial.

editor@artistasgauchos.com.br


Colunas de Resenhas:


Os comentários são publicados no portal da forma como foram enviados em respeito
ao usuário, não responsabilizando-se o AG ou o autor pelo teor dos comentários
nem pela sua correção linguística.


Copyright © msmidia.com







Cursos em Porto Alegre

Cursos de Escrita

Cursos para escritores

Confira cursos e oficinas exclusivos feitos especialmente para escritores ou aspirantes a escritores.

Mais informações


Cursos de Escrita

Oficinas literárias

Oficinas de criação literária e escrita criativa em Porto Alegre.

Mais informações

 


Livros em destaque

O Guardião da
Chave Dourada

Airton Ortiz

Fundamentos à prática de revisão de textos

A Fantástica Jornada do Escritor no Brasil

 

compre nossos livros na