artistasgauchos












Desenvolvido por:
msmidia

Literatura

Revisor de plantão
Rubem Penz

Número 464

Há uma regra não escrita, mas que parece ter validade mundial ontem, hoje e sempre: quando o leitor esbarra em um erro ortográfico ou de gramática, o livro inteiro desce um degrau no conceito. Milhares de palavras íntegras e orações perfeitas são maculadas por um deslize. Ou, o que é pior: as ideias expostas, a história contada, as teses defendidas sofrem um abalo sísmico. Quando a compreensão é atingida pelo erro, vá lá, estamos diante de muitos graus na Escala Richter. Porém, na maioria acachapante dos casos, a falha passa despercebida por muita gente, e em nada afeta o conteúdo. O que minimiza o fato, mas não destrói a questão de que haverá desmerecimento.

Por isso sempre fui e sempre serei um fã incondicional dos revisores. Eles estão ali para garantir a saúde do texto oferecendo uma segunda opinião. Os brilhantes, e não são muitos, leem palavras, frases e parágrafos permanecendo vigilantes ao sentido. Manuseiam as vírgulas com a delicadeza de um ourives; notam os acentos como um maestro a escutar cada detalhe da orquestra; caçam falhas de digitação como a tricotadeira que não perde um só ponto. São atentos como o analista, seguros de que o discurso poderá trair o desejo do escritor (para o bem ou para o mal). Então, apontando a falha no ato, darão ao autor a rara oportunidade de pensar melhor antes de o livro ser impresso.

Sei que não é fácil receber o original de volta da revisão. É triste ver que poucas páginas escapam virgens – o que exige muita humildade no momento de aceitar e recusar as modificações sugeridas. A primeira reação é um enorme "não é possível, eu redijo bem, o revisor quer escrever por mim". Depois, aos poucos, domamos a fera e baixamos a crista, reconhecendo que a vaidade sempre foi péssima conselheira. Quando redator publicitário, eu implorava por revisão considerando o próprio autor o menos qualificado para o trabalho. Numa agência consegui que a coordenadora de produção lesse os textos, e muita dor de cabeça foi evitada. Desconfie dos que odeiam revisores: se achar infalível é a primeira de muitas outras falhas. E a maior delas.

Pena que na vida não tenhamos essa figura tão útil a marcar em vermelho nossas palavras e atitudes. Para muitos, revisor de plantão seria luxo. Para outros, porém, necessidade. O problema é que o revisor acabaria mal visto ou mal interpretado justamente por quem mais precisa.
 

         – Olha lá que linda! Vou chegar nela e dizer "Que tal darmos as mãos para mim dançar contigo"?
         – O certo seria "eu dançar contigo".
         – Eu dançar com você? Jamais!
         – Você não entendeu: é "eu" com ela.
         – Nada disso! Vi primeiro. Além do mais, sou o autor da cantada. Você, no máximo, revisa.
         – Tá bom, tá bom. Vou sugerir outra forma, já que você não alcançou: que tal "dançarmos juntos".
         – Ih, olha aí o cara! Só pode estar de brincadeira. Homenagem atroz, só comigo e duas mulheres, compreendeu?
         – Ménage à trois. É francês.
         – Só podia ser mesmo: coisa de fresco. Levo outro homem para cama e, quando vejo, a vaca torce o rabo.
         – É a porca quem torce o rabo. A vaca vai para o brejo.
         – Bem isso. Olha lá: outro cara pegou a menina na frente de eu.
         – Na minha frente.
         – Que seja, então, na frente de nós dois. Ei, espera, aonde você vai?
         – "Mim" precisa de um uísque...

 

www.rubempenz.com.br
www.rufardostambores.blogspot.com


28/03/2012

Compartilhe

 

Comentários:

Mano acabei de ler Revisor de Plantão e lembrei do meu pai, que começou como revisor e me deu uma grande saudade,certamen- te ele que te considerava como neto, teria muito orgulho de ler esta crônica escrita por ti um beijo no teu coração.
maria helena penz, porto alegre 25/07/2012 - 16:39

Envie seu comentário

Preencha os campos abaixo.

Nome :
E-mail :
Cidade/UF:
Mensagem:
Verificação: Repita os caracteres "351202" no campo ao lado.
 
  

 

  Rubem Penz

Publicitário, músico e escritor. Baterista/percussionista do Grupo Versão Brasileira e de outras formações instrumentais e de MPB. Vice Presidente da Associação Gaúcha de Escritores (AGEs). Produz crônicas semanais para jornais, publica em revistas e em seu blog, o Rufar dos Tambores. Publicou O Y da questão e outras crônicas (Literalis) e Inter Pares (Literalis), além de organizar as antologias Santa Sede – crônicas de botequim Safra 2010 (Literalis), 2011 (Fábrica de Leitura) e 2012 (Literalis), e de participar de publicações coletivas. Ministra oficinas literárias de crônicas, gênero que professa com devoção.

rubempenz@yahoo.com.br
www.rubempenz.com.br/
www.facebook.com/rubem.penz


Colunas de Rubem Penz:


Os comentários são publicados no portal da forma como foram enviados em respeito
ao usuário, não responsabilizando-se o AG ou o autor pelo teor dos comentários
nem pela sua correção linguística.


Copyright © msmidia.com







Cursos em Porto Alegre

Cursos de Escrita

Cursos para escritores

Confira cursos e oficinas exclusivos feitos especialmente para escritores ou aspirantes a escritores.

Mais informações


Cursos de Escrita

Oficinas literárias

Oficinas de criação literária e escrita criativa em Porto Alegre.

Mais informações

 


Livros em destaque

O Guardião da
Chave Dourada

Airton Ortiz

Fundamentos à prática de revisão de textos

A Fantástica Jornada do Escritor no Brasil

 

compre nossos livros na