artistasgauchos












Desenvolvido por:
msmidia

Música

Diálogo com Vitor Ramil
Rafael Figueiredo

“Como penetrar na esfera poética do nosso tempo?”. Essa pergunta, que encontrei na última página da introdução do livro A Poética do Devaneio, de Gaston Bachelard, inclinou-se sobre mim junto ao convite da Editora Metamorfose para criarmos o curso de Escrita e Leitura de Poesia. Ambas as questões me direcionaram em busca de um maior aprofundamento a respeito de uma linguagem poética que não só me permitisse uma visão mais ampla do assunto como também um mergulho na minha própria identidade artística. Foi então que brotou a ideia do meu primeiro artigo sobre o assunto, intitulado O Papel Curador da Arte na Sociedade Pós-Moderna, e, em seguida, a necessidade de acrescentar à minha percepção outras visões além daquela encontrada nos livros. Busquei, então, o diálogo com artistas que já tivessem consolidado de alguma forma suas identidades.

Para essa primeira parte trago, então, Vitor Ramil, autor de três narrativas longas, um ensaio e dez discos. Vitor começou a compor muito cedo e lançou seu primeiro disco, Estrela, Estrela, aos dezoito anos. Criou a Satolep Discos e se anunciou como artista independente gravando a maior parte de sua discografia pelo próprio selo. Hoje traz ao público um novo trabalho, Avenida Angélica, com os poemas musicados da poetisa Angélica Freitas. O que disponho aqui é fruto de uma hora de conversa sobre vários aspectos da carreira do artista e sobre as diversas linguagens poéticas das quais nos servimos na construção de uma obra.


Rafael: Vitor, para começarmos, me fala um pouco do teu processo criativo, sobre essa capacidade de construir imagens através da palavra.

Vitor: Eu me motivo pela imagem em si. A sensação que eu tenho é de descrever o que eu vejo dentro da minha ideia. Acredito que por isso minhas letras e textos acabam sendo sempre visuais e tudo acaba sendo, por extensão, muito plástico. Acontece assim. Muitas vezes depois que eu faço algo é que eu vou destrinchar o sentido daquilo que fiz. Costumo dizer que o artista não sabe por que cria, tampouco como cria. Não existe um controle sobre a criação. Acontece muito de eu analisar uma imagem e se achar que ela não está suficientemente precisa, voltar e ajustar alguma coisa. Mas se eu não tiver uma intuição na hora, eu espero. Como na música Longe de Você, que não tinha uma letra adequada, então eu esperei e depois de muito tempo ela surgiu.

Rafael: Como tu acredita que se dá esse processo intuitivo da criação?

Vitor: Eu acredito que a poesia é um pensamento que não se chega a ter uma espécie de síntese rapidíssima. Tenho a impressão de que é sempre um processo intuitivo, mesmo que tenha um tema, por exemplo: “vou escrever sobre tal coisa”. Se não for também intuitivo, não vai ter força. É possível perceber quando um texto, uma letra, um poema, o que for, de cunho criativo, é excessivamente elaborado ou simplista demais. É possível perceber quando tem esse poder da síntese, se tem verdade.

Rafael: Como essa síntese age sobre a tua obra, por exemplo?

Vitor: Muitas vezes eu escrevo a partir do que enxergo. A própria Estética do Frio foi uma frase que me saiu e depois eu tive que me debruçar sobre ela para entender o que que ela queria dizer exatamente. É um tipo de vício de compositor, trabalhar a partir da síntese, a partir do objeto reduzido a uma expressão mais pura.

Rafael: E quando foi que o compositor virou escritor?

Vitor: Quando eu tinha onze ou doze anos ganhei um concurso de contos. Dentro de casa todos achavam que eu iria ser escritor. Mas depois destes meus primeiros momentos, eu só fui ter coragem novamente quando eu estava no Rio de Janeiro, com quatro discos gravados. Aí que eu fui escrever o Pequod, que é meu primeiro livro. Mas a literatura sempre esteve presente na minha música. Na minha maneira de escrever tem muito da concisão da canção. Como eu disse, o compositor é um fazedor de síntese. Então é inevitável que isso vá junto para a narrativa longa. Muitas vezes eu estou escrevendo a ficção e uma frase me faz rever toda a história e até o conteúdo. Por exemplo, quando eu comecei a escrever o Pequod, eu havia lido algo sobre a pré-história, então eu escrevi aquele trecho inicial sobre os mamutes: “Quando os mamutes se foram com a última geleira (...)”. Terminei de escrever este trecho e imediatamente comecei a contar uma cena da minha infância com o meu pai, ou seja, eu saí da pré-história para a minha pré-história. Aqueles mamutes ficaram lá por muito tempo.

Rafael: E a linguagem poética, onde ajuda na construção da narrativa longa?

Vitor: Como eu gosto de escrever canção, sempre tive que dar conta de um espaço pequeno, que é parecido com a poesia, como a gente já falou, mas não é poesia. Isso me deu um tipo de exercício de concisão. Como dizer várias coisas em uma limitação de frases, de rima, de acento, tudo isso. Então, quando vou escrever um texto mais longo, é inevitável que tudo isso vai junto. Até porque eu nunca fui um grande leitor de ficção, de novela, de romance, etc. Eu tenho preferência por ensaio e poesia, por exemplo. Gosto de ler ficção que tenha mais elaboração formal do que o próprio conteúdo.

Rafael: Gostaria de saber um pouquinho também de como foi musicar os poemas da Angélica Freitas e do João da Cunha Vargas, e como que se deu a parceria com o Chico César?

Vitor: A poesia da Angélica me levou a compor samba, blues, uma canção mais pop. Porque a letra é inevitável nesse caso, já que a poesia dela é muito real, muito concreta. Então eu deixei toda essa minha formação de ouvir música pop em geral vira à tona. Com o João da Cunha Vargas, eu tinha a sensação de que as músicas dos poemas dele já existiam. Quando eu compus a canção Deixando o Pago, por exemplo, eu tive uma comoção muito grande, foi uma sensação de estar quase que tomado pelo poeta, eu tive a certeza de ter feito a música certa para aquele poema. Com o Chico César, foi assim: eu mandei várias letras que eu tinha de canções onde a música já não me interessava tanto e que ficaram como poemas escritos, mas que tinham sua origem na canção. Então o Chico veio com outra visão, absolutamente diferente. E quando chegou perto da data de eu gravar, ele começou a me enviar quase que uma por dia. Foram umas seis músicas ao todo, inclusive eu gravei a canção Olho d’água água d’olho no meu último disco, Campos Neutrais.

Rafael: E nisso tudo qual diferença que tu percebes entre o poema e a letra de música?

Vitor: No poema, se por acaso o leitor não entender o que está escrito, ele volta, lê de novo. Além disso, ele já conta com um ritmo próprio, ainda mais no verso livre, onde cada leitor dá o seu ritmo de certa forma. Já a canção está sempre passando, ela precisa comunicar, o ouvinte até pode parar a música, mas não é a mesma coisa. A canção sempre quer dizer algo, então quando uma letra é excessivamente poema, ela cria um “branco” no ouvinte. Então eu acho que a letra de música tem esse poder, vem acompanhada da melodia e tudo mais. Tudo isso fixa algo na memória, às vezes muito mais do que as próprias leituras. Por exemplo, eu me lembro de ouvir uma música dos Beatles em uma casa em que nós alugamos no Laranjal, de botar o disco no toca-discos. Lembro bem daquele dia, a música fixa o momento como uma imagem na lembrança.

Rafael: Para finalizarmos, gostaria que tu falasses um pouco sobre o teu amadurecimento artístico e um pouco de como foi a tua trajetória no mercado fonográfico.

Vitor: O amadurecimento é inevitável, ninguém escolhe amadurecer. Mas eu sempre reajo ao meu trabalho e sempre acreditei na maturidade, joguei todas as minhas fichas nela. Pensava: quando eu envelhecer meu trabalho vai estar melhor. No meu caso, que gravei meu primeiro LP com dezoito anos, com canções que escrevi a partir dos quatorze, foi um grande risco. Talvez hoje eu gravasse daquelas músicas apenas Estrela Estrela, que foi uma canção que escrevi às vésperas de entrar no estúdio. Então, depois de pronto, eu olhei para o disco e percebi que era bastante convencional, com excelentes arranjadores, mas eu não me enxergava nele. Então parti em busca de fazer um trabalho mais autoral, que foi meu segundo, o Paixão de V, que é quase diretamente oposto ao Estrela Estrela. Mas então, depois de fazer esse segundo disco, eu não conseguia mais olhar para ele sem ver os defeitos. Daí procurei o que faltava naquele trabalho e descobri que era controle. Então procurei fazer algo que tivesse mais unidade, e produzi o Tango, que é um disco que prima pela unidade e tem uma banda bem fechada de quatro músicos. Foi onde eu me preocupei em fazer as minhas letras, porque até então eu tinha parceiros. E sigo sempre reagindo aos meus trabalhos, procuro sempre criar algo diferente da minha obra anterior. No fim sempre me propus a fazer muita coisa, tocar violão, cantar, escrever a letra, produzir, arranjar e, em determinado período, até empresário de mim mesmo eu virei. Fiz a Satolep Discos e eu gostava muito daquilo, fiz folder, catálogo, me comunicava com o lojista, adorava essa coisa empreendedora e acho uma pena isso ter acabado. Houve um hiato na indústria que beneficiou os independentes como eu, e foi justamente nessa época em que eu fiz Ramilonga, Tambong, Longes. Tudo isso foi feito com a Satolep Discos sólida, vamos dizer. Mas hoje, o suporte físico acabou, e a música saiu do controle do artista mais uma vez.


10/02/2020

Compartilhe

 

Comentários:

Belo texto! Me identifiquei em diversas falas do Vitor; principalmente em relação ao devir da palavra poética.
Larissa Macalão Barbosa, Governador Celso Ramos 21/02/2020 - 10:16

Envie seu comentário

Preencha os campos abaixo.

Nome :
E-mail :
Cidade/UF:
Mensagem:
Verificação: Repita os caracteres "060609" no campo ao lado.
 
  

 

  Rafael Figueiredo

Rafael Figueiredo nasceu em 1985 e hoje reside na cidade de Sapiranga. Foi aluno do professor Marcos Maronez com quem iniciou seus estudos em violão, piano e composição. Começou a escrever peças teatrais ainda na escola. Seu repertório autoral conta com mais de duzentas músicas compostas e arranjadas por ele, e contemplam vertentes da música brasileira como as modas de viola, a trova, a musica popular, além de temas para peças de teatro.

figueired669@gmail.com


Colunas de Rafael Figueiredo:


Os comentários são publicados no portal da forma como foram enviados em respeito
ao usuário, não responsabilizando-se o AG ou o autor pelo teor dos comentários
nem pela sua correção linguística.


Copyright © msmidia.com







Cursos em Porto Alegre

Cursos de Escrita

Cursos para escritores

Confira cursos e oficinas exclusivos feitos especialmente para escritores ou aspirantes a escritores.

Mais informações


Cursos de Escrita

Oficinas literárias

Oficinas de criação literária e escrita criativa em Porto Alegre.

Mais informações

 


Livros em destaque

O Guardião da
Chave Dourada

Airton Ortiz

Fundamentos à prática de revisão de textos

A Fantástica Jornada do Escritor no Brasil

 

compre nossos livros na