artistasgauchos









Desenvolvido por:
msmidia

Reflexão

Sua vida num outdoor
Jacira Fagundes

Estamos chegando lá. É o que me parece.

Cada um, a seu modo, sempre buscou o olhar do outro. O olhar de aprovação que confirma nosso desejo de ser. Mais simpáticos, mais bonitos, mais inteligentes e mais encantadores. Mais tudo. Pelo olhar do outro.

Então  é  hora de retribuir. Confirmar a veracidade. Depositar confiança.

Aconteceu assim quando éramos pequenos e percebíamos os olhares de aprovação dos adultos frente a qualquer gracinha, mesmo desajeitada. Repetíamos as ações. Confiávamos. Entregávamo-nos.

Crescemos e perdemos um pouco deste fã clube, assim entusiástico. A adolescência nos deixou a desalento. Na juventude enfrentamos cobranças. A idade adulta, então, exigiu de nós grande quantidade de siso e raríssimos risos.

E aí vem a  Internet e nos presenteia com as redes sociais. Democráticas e sedutoras , as redes sociais acolhem a todos, indistintamente.

Como não se bandear para um lugar onde existe a possibilidade de fazer centenas de amigos? E  chegar a milhares, com uma simples operação de adição? E esses amigos ainda curtirem nossas ideias, tanto faz, se inteligentes ou tolas? Compartilharem de nossas mesmices, de nossas experiências nobres ou medíocres?

É o retorno do olhar do outro. Aquele olhar de aprovação que nos foi roubado no mundo real.

Mesmo que virtuais, hoje acreditamos nestes novos olhares, nas curtidas e nos compartilhamentos. Envaidecidos, depositamos total confiança. Há verdade no outro e em nós mesmos. O mundo, agora, é virtual.

Para a maioria este é um universo a ser palmilhado com uma boa dose de  humor e compreensão. Um entendimento saudável, como é exigência em um relacionamento entre pessoas educadas. Isto é perfeitamente possível. E um ganho para as partes.

Mas, para uma minoria desatenta, cuja meta é dispor-se a vender imagem, as redes sociais não passam de potentes vitrines onde holofotes gigantescos atraem os mais diferentes olhares.

Você e seus tantos novos amigos estão lá. Lá está seu nome, seu perfil, sua história, sua rotina, seus sentimentos, sua vida. As fotos comprovam sua identidade e sua trajetória, os caminhos trilhados, os muitos amores conquistados, as promessas não cumpridas. E são muitas as fotos. Muitos os álbuns. Como admitir que este mundo fascinante pode não ser confiável? Impossível!

De repente, a surpresa. Sua vida deixa de ser aquele livro aberto de que você, outrora,  se orgulhou alcançar a familiares e amigos verdadeiros. Transformada numa exposição para milhares de indivíduos, sua biografia autorizada à revelia, atravessou limites indesejáveis. Alicerçada em seus posts, já ultrapassa a faixa dos 10.000 acessos no YouTube. Seus gracejos, suas aventuras, seus bons e maus momentos vividos estão lá, para entretenimento do público internauta.

Os canais de fofoca na TV já se interessam pelo assunto, tal o sucesso do vídeo. Vai dar ibope.

Você sai em busca de culpados.

Pode pensar em acusar a sua rede, as redes sociais em geral, tentar denegrir o espaço da Internet, deixar comentários inescrupulosos nas postagens dos supostos inimigos, deletar, descurtir, desadicionar este e aquele outro, decretar catástrofe ao mundo virtual. Nada vai adiantar. Nada irá segurar a perda da sua suposta privacidade.

Melhor admitir sua obsessão narcisista, sua vaidade, carência, exibicionismo,  ingenuidade, criancice e tantas outras pendências.

Melhor ponderar sobre o que foi liberado, se caberia ser liberado a quem. E o quanto.

O que você libera para o outro, no mundo real ou virtual, é de sua inteira responsabilidade.

O que você não pode é queixar-se de invasão. Ninguém invade nossa privacidade sem nossa permissão. Para o mal ou para o bem. Afinal, tudo foi permitido na compulsão do tá tudo liberado.

Você chegou lá.

Logo, logo vai parar o carro naquele entroncamento e, no tempinho de espera do verde para arrancar, vai olhar para o alto e ver sua vida passar em flashes.  Bem ali, naquele outdoor.


24/07/2014

Compartilhe

 

Comentários:

Adorei o texto! Nunca havia parado para refletir sobre os reais motivos que nos levam a buscar a"fama digital" Não é só um reconhecimento, mas sim uma necessidade de aceitação do olhar do outro...
Marlei Mendes, São Paulo 26/07/2014 - 12:08
Jacira,foste muito feliz na tua colocação, pois é muito pertinente às redes sociais.
Nilva Ferraro, Porto Alegre - RS 25/07/2014 - 23:56
Jacira, grande texto para usares com teus alunos, principalmente adolescentes: realista, maduro e bem estruturado. Beijo .
thereza Jacob, Porto Alegre 25/07/2014 - 20:26
maravilhoso, muito real. Prabens
yara nascimento, Porto Alegre 25/07/2014 - 14:23

Envie seu comentário

Preencha os campos abaixo.

Nome :
E-mail :
Cidade/UF:
Mensagem:
Verificação: Repita os caracteres "580902" no campo ao lado.
 
  

 

  Jacira Fagundes

Jacira Fagundes é professora e escritora. A trajetória literária, encarada como ofício, teve começo em 2002, com a premiação do conto “Noite fria de vigília”, quando do lançamento do Prêmio Literário Nova Prova – 20 anos. Ficou entre os quinze autores selecionados e seu texto foi publicado em obra da Editora.

jamafag@terra.com.br
www.jacirafagundes.com


Colunas de Jacira Fagundes:


Os comentários são publicados no portal da forma como foram enviados em respeito
ao usuário, não responsabilizando-se o AG ou o autor pelo teor dos comentários
nem pela sua correção linguística.


Copyright © msmidia.com







Cursos em Porto Alegre

Cursos de Escrita

Cursos para escritores

Confira cursos e oficinas exclusivos feitos especialmente para escritores ou aspirantes a escritores.

Mais informações


Cursos de Escrita

Oficinas literárias

Oficinas de criação literária e escrita criativa em Porto Alegre.

Mais informações

 


Apoio Cultural