artistasgauchos












Desenvolvido por:
msmidia

Reflexão

Luto de gente viva
Marta Leiria

Uma das modas contemporâneas que parece que vieram para ficar é a de aderir, e repetir ad nauseam, expressões inseridas em frases prontas. São tantas! Cultura do estupro, do cancelamento, masculinidade tóxica. Uma delas preconiza o desapego de coisas, até de gente. Ora, é claro que de objetos que já cumpriram seu papel precisamos, sim, nos livrar, como tão bem nos ensina Marie Kondo. Mas quem se dispõe a encarar com verdade seus próprios demônios sabe que luto de gente viva é das experiências humanas mais difíceis de superar. Falo de pessoas que amamos. Familiares, amigos. A ponto de chorarmos de saudade do que um dia foi.

A leitura de Jordan Peterson pode abrir as fronteiras do pensamento sobre o tema. Em suas “12 regras para a vida, um antídoto para o caos”, que, já adianto, de autoajuda não tem nada, propõe algumas regras fundamentais para lidarmos com o caos. Psicólogo clínico, ele as fundamenta em narrativas bíblicas (não precisa ser religioso para reconhecer a sabedoria das histórias ali contidas), na Mitologia, Filosofia, Literatura. E em sua experiência em consultório, sala de aula, palestras.

Pessoas com alguma estrada e não autoiludidas sabem muito bem que o caos está sempre à espreita, por mais felizes, saudáveis e sortudas que estejamos no momento. Para os que não conhecem o notável pensador, e antes de comprar o livro, sugiro que assistam a seus vídeos nas redes sociais. O que me levou a querer urgentemente lê-lo foi o seguinte questionamento sobre o que é mais importante, o direito de expressão ou o direito de não se sentir ofendido (em minhas palavras): se estou falando com uma única pessoa é bem provável que eu possa tratar sobre algo difícil e controverso sem ofendê-la. Se falo para dez, talvez eu consiga, mas é um pouco difícil que ninguém se sinta ofendido com minhas palavras. Agora, para uma plateia de mil pessoas, isso é impossível. O simples fato de eu afirmar o que é verdade para mim ofenderá outras pessoas. Até mesmo o fato de eu existir. Então eu não posso dizer nada para que ninguém se sinta ofendido. É um critério impossível. E o que isso tem a ver com luto de pessoa viva? Tudo.

Há verdades talvez insuportáveis que precisamos dizer sob pena de abdicarmos de nós mesmos. Há outras, que pessoas precisam nos dizer. Se, a qualquer das partes, diante da precária condição humana, faltar tato, elegância, paciência, as consequências virão. Algumas relações fraternas talvez se rompam sem volta. E os laços antes tão íntimos se transformem em cumprimentos protocolares. Triste demais. Talvez se formos verdadeiros com essas pessoas tão caras a nós, possamos perguntar o que houve, e, se for o caso, pedir desculpas. Talvez não adiante nada. Talvez a dúvida sobre o que causou a ruptura nos acompanhe para sempre. Uma das regras de Jordan é: diga a verdade. Ou, pelo menos, não minta. Outra: seja amigo de pessoas que queiram o melhor para você, não de quem você gosta. Uma terceira: cuide de você como cuidaria de alguém sob sua responsabilidade.

Dia desses eu tentava descobrir, sem trapacear comigo mesma, sobre as causas de algumas rupturas. Talvez eu as tivesse ofendido e pudesse pedir desculpas. Talvez não adiantasse nada. Eis que o acaso me fez ler um texto excelente de colega sobre o Sete de Setembro e enviei a uma pessoa de quem gosto muitíssimo. Sempre falávamos com deliciosa franqueza, trocávamos ideias sobre o trabalho, livros, assuntos controversos e difíceis, e com quem convivi muitos anos no Ministério Público. Disse que andava lembrando dela com saudade. Ela me disse (é dessas pessoas que não têm o hábito de mentir) que pensa em mim quase que diariamente. Como não chorar de emoção? Foi um verdadeiro antídoto contra o caos em que me encontrava ruminando sobre minhas tristes rupturas.

20/09/2022

Compartilhe

 

Comentários:

Envie seu comentário

Preencha os campos abaixo.

Nome :
E-mail :
Cidade/UF:
Mensagem:
Verificação: Repita os caracteres "312303" no campo ao lado.
 
  

 

  Marta Leiria

Marta Leiria é escritora e Procuradora de Justiça aposentada. Graduada em Ciências Jurídicas e Sociais pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, UFRGS (1985). Ingressou na carreira do Ministério Público do RS no ano de 1988, aposentando-se em março 2019. Iniciou-se em 2012 na arte da crônica e do conto, participando de oficinas de escrita criativa e publicando artigos em Zero Hora e outros jornais. Lançou seu primeiro livro individual de crônicas e contos na 65ª Feira do Livro de Porto Alegre: A inveja nossa de cada dia e outras reflexões crônicas, Ed. Metamorfose, 2019. A obra foi finalista do Prêmio Minuano de Literatura 2020 na categoria Crônica e do Prêmio Apolinário Porto Alegre 2020, da Academia Rio-Grandense de Letras.

martalealpach@gmail.com


Colunas de Marta Leiria:


Os comentários são publicados no portal da forma como foram enviados em respeito
ao usuário, não responsabilizando-se o AG ou o autor pelo teor dos comentários
nem pela sua correção linguística.


Copyright © msmidia.com






Confira nosso canal no


Vídeos em destaque


Cursos de Escrita

Cursos de Escrita

Curso Online de
Formação de Escritores

Curso inédito e exclusivo para todo o Brasil, com aulas online semanais AO VIVO

Mais informações


Cursos de Escrita

Oficinas de escrita online

Os cursos online da Metamorfose Cursos aliam a flexibilidade de um curso online, que você faz no seu tempo, onde e quando puder, com a presença ativa do professor.

Mais informações

 


Livros em destaque

O Guardião da
Chave Dourada

Airton Ortiz

Fundamentos à prática de revisão de textos

A Fantástica Jornada do Escritor no Brasil

 

compre nossos livros na