artistasgauchos












Desenvolvido por:
msmidia

Resenha

Não há conforto ao assistir Coringa
Glauco Keller

Há duas maneiras bastante claras pelas quais o filme Coringa, de Todd Phillips, pode ser analisado: sob a perspectiva psicológica da saúde mental e sob o olhar da revolução social. Em qualquer uma delas, o resultado buscado pela DC Comics terá sido atingido.

O filme se passa em 1981, em uma Gotham City suja por conta de uma greve dos lixeiros e dividida socialmente entre ricos e pobres. O milionário Thomas Wayne se propõe a limpar a cidade, candidatando-se a prefeito. Já Arthur Fleck é um comediante vivendo entre o sonho da glória, as alucinações e uma visível insanidade mental.

Desde que a onda dos super-heróis atingiu as telonas – gerando bilhões de dólares em arrecadação, a rival da DC Comics, a Marvel esteve um passo à frente, seja com os mutantes X-Men ou, mais recentemente, com a saga dos Avengers. O fio de esperança da DC se mostrou com a trilogia “O Cavaleiro das Trevas”, adaptada dos HQs e brilhantemente dirigida por Christopher Nolan.

Coringa é diferente. Sob a perspectiva médico-psicológica ou social, a interpretação de Joaquin Phoenix indica um caminho. Menos explosões, menos piadinhas nas horas das lutas, os chamados alívios cómicos, e mais complexidade, drama e realidade na composição dos personagens. O Coringa deixa de ser o vilão da história para se tornar um anti-herói (figura que rivaliza o herói, querendo, muitas vezes, apenas o mesmo que ele – como Apollo Creed, na série Rocky Balboa) mais humanizado, frágil e pronto para explodir.

A pobreza de Arthur Fleck e sua luta diária para sobreviver na Gotham City suja e desprovida de empatia geram no espectador, sob a perspectiva social, um olhar de pena e de vergonha do próprio riso na cadeira do cinema em relação a algumas situações pelas quais o personagem passa.

Ao ver Fleck se livrar da tristeza e da dor através da violência – evidente reflexo de seu passado –, o espectador é compelido a trocar o dó pelo asco e pelo medo. O ser digno de piedade, que me fazia me sentir mais religioso e mais rico ao mesmo tempo, não pode deixar, simplesmente, de existir, me deixando órfão e traído. Metáfora clara para o pobre e preto nas universidades e aeroportos brasileiros.

A liberdade do personagem, que se desvencilha das amarras sociais, choca e faz todos – dentro ou fora do filme – lembrarem o quão prisioneiros de um sistema nos tornamos. Questões como a falência do estado de bem-estar social, má distribuição de renda e concentração de riqueza nas mãos de poucos são temas evidentes no filme.

Já sob o prisma da saúde mental, a história do Coringa evidencia de maneira inquestionável como o ambiente social e não a genética (Coringa era adotado) constrói um psicopata assassino, fazendo nosso olhar se voltar para a psicologia comportamental-cognitiva, tão criticada por propor que as vivências e experiências sociais delimitarão aquilo que seremos ao longo de nossa vida e jogar nas costas dos governos a necessidade de educação e saúde dignas e adequadas às sociedades.

Assim, qualquer que seja a sua perspectiva favorita, Coringa vale a pena ser visto, e a tão destacada violência do filme não é descabida nem exagerada; é justificável e necessária. Além disso, as costelas e a magreza de Joaquin Phoenix incomodam o espectador o tempo todo. A trilha sonora é muito boa e o filme nos tira de nossa zona de conforto.


Glauco Keller nasceu em São Carlos-SP em 1975. É formado em Letras pela Unesp, é professor de língua inglesa e história da arte, é jornalista e cronista. Apresenta o Programa Alternativa A na Rádio Universitária e é colunista da Rádio CBN.


21/02/2022

Compartilhe

 

Comentários:

Envie seu comentário

Preencha os campos abaixo.

Nome :
E-mail :
Cidade/UF:
Mensagem:
Verificação: Repita os caracteres "423911" no campo ao lado.
 
  

 

  Resenhas

As resenhas pubicadas no portal Artistas Gaúchos são de inteira responsabilidade dos articulistas. Se você deseja enviar um texto, entre em contato com o editor do portal. Não é necessário estar cadastrado no portal para enviar resenhas e a veiculação ou não é uma escolha editorial.

editor@artistasgauchos.com.br


Colunas de Resenhas:


Os comentários são publicados no portal da forma como foram enviados em respeito
ao usuário, não responsabilizando-se o AG ou o autor pelo teor dos comentários
nem pela sua correção linguística.


Copyright © msmidia.com






Confira nosso canal no


Vídeos em destaque


Cursos de Escrita

Cursos de Escrita

Curso Online de
Formação de Escritores

Curso inédito e exclusivo para todo o Brasil, com aulas online semanais AO VIVO

Mais informações


Cursos de Escrita

Oficinas de escrita online

Os cursos online da Metamorfose Cursos aliam a flexibilidade de um curso online, que você faz no seu tempo, onde e quando puder, com a presença ativa do professor.

Mais informações

 


Livros em destaque

O Guardião da
Chave Dourada

Airton Ortiz

Fundamentos à prática de revisão de textos

A Fantástica Jornada do Escritor no Brasil

 

compre nossos livros na