artistasgauchos












Desenvolvido por:
msmidia

Futebol

O futebol não começou ontem
Tomaz Fantin de Souza

A maior final da história das Copas sagrou a Argentina tricampeã mundial e devemos agradecê-la no momento em que a nossa seleção nos falhou.

A França de Mbappé por muito pouco não foi bicampeã de forma consecutiva, 2018 e 2022, feito só alcançado pela Itália do Mussolini, em 1934 e 1938, e pelo Brasil da Bossa Nova, em 1958 e 1962.

Somos os únicos pentacampeões e ninguém nos alcançará até 2026.

Alemanha e Itália, com quatro títulos cada, talvez nos incomodem.

E o Uruguai. Os nossos vizinhos juram serem tetracampeões, pois venceram os mundiais de 1930 e de 1950, e também 1924 e 1928, já que a FIFA organizou os dois torneios Olímpicos.

O Uruguai até usa quatro estrelas na celeste.

Neste critério, a briga ficaria muito mais interessante, porque a Inglaterra ganhou as Olímpiadas de 1900, 1908 e 1912, além da Copa de 66, e teríamos outro tetracampeão.

Camarões e Nigéria seriam as duas seleções africanas no Olimpo. Os países do lado de lá da Cortina de Ferro ganharam várias Olímpiadas no futebol o que nos daria uma União Soviética com duas taças e a Hungria tricampeã mundial.

Foi usando este raciocínio que a CBF unificou os títulos brasileiros e o Santos pulou de duas para oito taças nacionais, e o Palmeiras conseguiu ser campeão brasileiro duas vezes no mesmo ano, em 1967.

Naqueles tempos, o campeão paulista esperava numa semifinal e o carioca na outra.

O Cruzeiro, campeão em 1966, teve que jogar contra os times de Minas Gerais, duzentos times do Norte e Nordeste, a URSS, o Glória de Vacaria e a seleção do Goiás para só daí enfrentar o Fluminense, que era campeão carioca e tava lá na semifinal bem belo esperando.

O Pelé depenou o Grêmio na semifinal de 1964, mas o que ninguém lembra é que era o primeiro jogo do Santos naquele campeonato e os tricolores gaúchos já tinham cruzado o Brasil três vezes de barco, ônibus, trem, pegando carona (até a pé) e atravessando rios a nado para ganharem o direito de enfrentarem o Santos. Com jogo de volta no Pacaembu!

Mas mesmo que uruguaios, ingleses, santistas e os palmeirenses somem até seus torneios de futebol de botão, o Brasil com 5 Copas e 2 Olímpiadas, ainda assim, não seria alcançado por ninguém.

E nunca será!

19/12/2022

Compartilhe

 

Comentários:

Envie seu comentário

Preencha os campos abaixo.

Nome :
E-mail :
Cidade/UF:
Mensagem:
Verificação: Repita os caracteres "325308" no campo ao lado.
 
  

 

  Tomaz Fantin de Souza

Tomaz Fantin de Souza é engenheiro mecânico e professor do Instituto Federal Sul-rio-grandense. Natural da cidade de Vacaria na Serra Gaúcha, mora em São Leopoldo, na região metropolitana de Porto Alegre. Entre números e letras, em 2020 publicou o livro "Uma Passagem para Bratislava" e já participou de algumas coletâneas de contos.

tomazfs@yahoo.com.br


Colunas de Tomaz Fantin de Souza:


Os comentários são publicados no portal da forma como foram enviados em respeito
ao usuário, não responsabilizando-se o AG ou o autor pelo teor dos comentários
nem pela sua correção linguística.


Copyright © msmidia.com






Confira nosso canal no


Vídeos em destaque


Cursos de Escrita

Cursos de Escrita

Curso Online de
Formação de Escritores

Curso inédito e exclusivo para todo o Brasil, com aulas online semanais AO VIVO

Mais informações


Cursos de Escrita

Oficinas de escrita online

Os cursos online da Metamorfose Cursos aliam a flexibilidade de um curso online, que você faz no seu tempo, onde e quando puder, com a presença ativa do professor.

Mais informações

 


Livros em destaque

O Guardião da
Chave Dourada

Airton Ortiz

Fundamentos à prática de revisão de textos

A Fantástica Jornada do Escritor no Brasil

 

compre nossos livros na