artistasgauchos












Desenvolvido por:
msmidia

Resenha

O mestre e Margarida, um delírio alucinante e denso
Aletheia de Almeida

O mestre e Margarida, de Mikhail Bulgákov foi indicado por uma amiga, cujos sentidos literários muito admiro. À indicação e ao abraço seguiram as seguintes palavras: “estou lendo um livro de que, acho, você vai gostar”. Para mim foi como receber um daqueles presente que os amigos acham “a sua cara”. Sempre que isso acontece, não há como: é preciso descobrir a razão da identificação. Eu, pelo menos, não sosseguei enquanto não descobri por que O mestre e Margarida poderia cair no meu gosto.

Foi uma leitura difícil, tenho que admitir. Há muitas histórias entrelaçadas e imbricadas, além de uma história incrível dentro de outra, ainda mais espetacular. É monumental, mas pode ser alucinante, fora dos parâmetros "normais" de um romance ou da própria realidade. Apesar disso, acho que há uma relação entre a história inventada por Bulgákov e o cenário político e social em que a escreveu e em que se desenvolveu: a União Soviética da década de 1930, que também devia ser um experimento político monumental e alucinante. É nesse contexto que surge nada mais nada menos que Satanás, em plena Moscou stalinista. No meio de uma conversa entre Berlioz, presidente da Massolit, uma espécie de academia popular de letras russa, e Bezdômny, um jovem poeta. Nessa conversa, discutiam com um forte tom ateísta, típico daquela sociedade naquele tempo, o trabalho do poeta sobre Jesus Cristo a ser publicado por Berlioz. Em Patriarchi Prudý, um lugar que reflete a arquitetura e a sociedade daqueles anos --- um conjunto de prédios funcionais soviéticos que circundam um lago quadrado ---, Satanás surge, para provar sua existência. Após essa aparição, Berlioz perde sua cabeça, defendendo seus princípios filosóficos até o fim.

Berlioz, atropelado e decapitado por um bonde, é substituído, em seu apartamento comunal, por Woland, que se apresenta como especialista em magia negra, o próprio diabo, e por seus comparsas: um fabuloso gato preto de proporções humanas, Behemoth; um homem sempre vestido de xadrez e portando um pincenê rachado, Korôviev; um outro homenzinho ruivo e sanguinário, Azazello; e sua ajudante, cozinheira e faz tudo, Hella. A partir daí a trupe fantástica, invencível e inverossímil entra na vida de diversas pessoas, rompendo padrões e despedaçando crenças, enlouquecendo a todos que encontra. Com a notável exceção de Margarida, companheira de um escritor que não pôde suportar a crítica a seu manuscrito sobre Pôncio Pilatos, e que se interna numa clínica psiquiátrica --- que, aliás, receberá a maioria das vítimas do diabo. Margarida parece estar acima das convenções e à frente de seu próprio tempo, não se deixa julgar, nem abalar por quaisquer críticas e está disposta a abandonar uma escolha mal-feita, para ser feliz ao lado do tal escritor a quem chama de mestre. Não é por outra razão que o mestre satânico a escolhe para ser a rainha de seu baile anual.

Como disse, a leitura não foi daquelas de uma semana. Tive que começar e recomeçar o livro: era imperioso descobrir por que o livro se parecia comigo. A tradução, ao que parece porque não sei russo, não ajuda muito. Deixa a leitura truncada, sem continuidade. Ontem, no entanto, cheguei ao fim do livro, completamente extasiada. Como é sutil a sátira àqueles tempos e aos costumes de então, a crítica à sociedade estruturada em milhões de departamentos e sustentada sob muita vigilância. A mesquinhez e a estreiteza de visão individual, que conviviam com princípios políticos e sociais tao universais, é um paradoxo perceptível, mas nunca apontado. Todo o pensamento convencional dos personagens, aliás, pode ser a causa de tanta loucura desencadeada após o encontro com o diabo. O inverossímil concretiza-se diante dos olhos, contra todas as probabilidades, crenças ou diretrizes.

Li um pouco sobre a vida de Bulgakóv e, claro, é extraordinária. Formou-se em medicina e voluntariou-se como médico da Cruz Vermelha, durante a Primeira Guerra Mundial. Durante a guerra, foi gravemente ferido e, a partir daí, para suprimir as dores lancinantes, passou a injetar doses cada vez maiores de morfina. Esse hábito tornou-se vício, e as tentativas de abandoná-lo inspiraram o livro Morphine, de 1926. Casou-se três vezes. Sua última esposa (foto abaixo), com quem se estabeleceu em Patriarchi Prudy, influenciou o personagem de Margarida. Sua carreira literária iniciou-se pelo jornalismo, passou pela ficção científica, chegando a sátira social. Apesar de sua obra ter sido submetida ao escrutínio do estado soviético e só ter sido publicada na íntegra em 2007, Stalin era admirador de um de seus livros The Days of the Turbins, sobre sua experiência na Grande Guerra. Stalin expressou pessoalmente essa admiração e conseguiu que Bulgákov fosse empregado num pequeno teatro de Moscou, talvez para contrabalancear a proibição de que fosse publicado e a consequente penúria imposta ao autor. E foi esse emprego que garantiu sua sobrevivência e a possibilidade de concluir O Mestre e Margarida, em 9 anos (de 1929 a 1938).

Ao final de O mestre e Margarida estava assoberbada pela leitura, realmente incrível. Um delírio alucinante e denso que tem despertado a paixão de muitos na Rússia --- é o romance preferido de jovens leitores russos --- e fora do país. Salman Rushdie afirmou que O Mestre e Margarida foi uma das inspirações para Versos Satânicos. Mick Jagger, igualmente, deixou registrado que o romance de Bulgákov também inspriou Sympathy for the Devil. Também soube daquela mesma amiga, a quem agradeço muito o presente, que o apartamento número 50, onde Satanás instalou-se durante sua estadia em Moscou, na Sadovânia 302-bis, virou local de idolatria, peregrinação e performances. Quero ler o livro outras tantas vezes e finalmente visitar Moscou e o apartamento número 50.

02/06/2021

Compartilhe

 

Comentários:

Envie seu comentário

Preencha os campos abaixo.

Nome :
E-mail :
Cidade/UF:
Mensagem:
Verificação: Repita os caracteres "545812" no campo ao lado.
 
  

 

  Aletheia de Almeida

Aletheia de Almeida é mestre em Relações Internacionais e há um bom tempo atua profissionalmente na área de cooperação internacional, no governo brasileiro. Natural de Brasília, já morou em Buenos Aires, Atlanta e Rio de Janeiro. É apaixonada por seus dois filhos e pela literatura. Seus maiores prazeres são ler, viajar, tomar um bom vinho e exercitar (se tudo junto, melhor ainda!). Sua meta na vida é alcançar todo e qualquer equilíbrio. Quem sabe pela escrita?

aletheiaalmeida@gmail.com


Colunas de Aletheia de Almeida:


Os comentários são publicados no portal da forma como foram enviados em respeito
ao usuário, não responsabilizando-se o AG ou o autor pelo teor dos comentários
nem pela sua correção linguística.


Copyright © msmidia.com







Cursos em Porto Alegre

Cursos de Escrita

Cursos para escritores

Confira cursos e oficinas exclusivos feitos especialmente para escritores ou aspirantes a escritores.

Mais informações


Cursos de Escrita

Oficinas literárias

Oficinas de criação literária e escrita criativa em Porto Alegre.

Mais informações

 


Livros em destaque

O Guardião da
Chave Dourada

Airton Ortiz

Fundamentos à prática de revisão de textos

A Fantástica Jornada do Escritor no Brasil

 

compre nossos livros na