artistasgauchos












Desenvolvido por:
msmidia

Resenha

Por que o homo sapiens se tornou a espécie dominante de todas as que coexistiram no planeta Terra?
Soraia Schmidt

Por que o homo sapiens se tornou a espécie dominante de todas as que coexistiram no planeta Terra?

Esta pergunta e uma das respostas apontadas pelo autor de Sapiens - Uma breve história da humanidade (Yuval Noah Harari), é porque conseguimos nos unir em um número ilimitado de pessoas. Isto possibilitou abrir cada vez mais fronteiras, conquistando a supremacia.

Não é novidade que, para conquistar força, poder e aumentar as chances de sobreviver, as espécies animais se agrupam na natureza. Então qual foi o nosso grande feito? Manter a coesão a despeito do aumento do número de indivíduos. E, em sendo tão diferentes, como conseguir a estabilidade do grupo? União em torno de ideias (crenças, religião, política, dinheiro, economia, códigos sociais) que formaram a rede que hoje nos conecta globalmente. Somos a humanidade. Essas são algumas das ideias sobre as quais versa este interessante livro que é ao mesmo tempo histórico, filosófico e divertido.

Compartilhamos o mesmo sistema social e dependemos intrinsicamente um dos outros. Hoje, mais do que nunca. O mundo é uma teia de homo sapiens. Entretanto, não há como um ser humano inteiro cortar-se para caber ali, naquele espaço pré-estabelecido pela sociedade e seus códigos. Então criou-se o público e o privado. Alguns vivem só no público, outros só no privado. Muitos, inclusive eu e você, vivemos no público e no privado (o que parece ser o mais saudável e sensato). Alguns confundem um pouco entre o que é público e privado (a depender do ponto de vista), e criam muita polêmica, nutrindo os milhares que anseiam por dar sua opinião (terreno fértil mesmo em desertos onde há internet).

Mas o que é público mesmo? O público é a vitrine. Alguns são fanáticos, adoram. E o privado não pode ser vitrine também? Que o digam as redes sociais.

O fato é que uma hora a solidão bate. Não somos o que está na vitrine. Lá estamos para sermos vistos, reconhecidos, aceitos, e até amados. Por dentro choramos, brigamos, e engolimos toda dor e frustração, inerentes ao viver, que não podemos mostrar. À sós é que morremos e renascemos.

Ah! Mas alguns não renascem nunca. Os que já estão mortos.

São os que vivem só de público e sorriem.

04/10/2020

Compartilhe

 

Comentários:

Envie seu comentário

Preencha os campos abaixo.

Nome :
E-mail :
Cidade/UF:
Mensagem:
Verificação: Repita os caracteres "285904" no campo ao lado.
 
  

 

  Resenhas

As resenhas pubicadas no portal Artistas Gaúchos são de inteira responsabilidade dos articulistas. Se você deseja enviar um texto, entre em contato com o editor do portal. Não é necessário estar cadastrado no portal para enviar resenhas e a veiculação ou não é uma escolha editorial.

editor@artistasgauchos.com.br


Colunas de Resenhas:


Os comentários são publicados no portal da forma como foram enviados em respeito
ao usuário, não responsabilizando-se o AG ou o autor pelo teor dos comentários
nem pela sua correção linguística.


Copyright © msmidia.com







Cursos em Porto Alegre

Cursos de Escrita

Cursos para escritores

Confira cursos e oficinas exclusivos feitos especialmente para escritores ou aspirantes a escritores.

Mais informações


Cursos de Escrita

Oficinas literárias

Oficinas de criação literária e escrita criativa em Porto Alegre.

Mais informações

 


Livros em destaque

O Guardião da
Chave Dourada

Airton Ortiz

Fundamentos à prática de revisão de textos

A Fantástica Jornada do Escritor no Brasil

 

compre nossos livros na