artistasgauchos












Desenvolvido por:
msmidia

Literatura

Cárcere literário, com prazer
Márcia Falkenbach

“Cela de Papel” transcende. É muito mais do que apenas um livro, uma mera obra literária; é um pedaço de imaginação em estado puro, escrito com a maestria dos gênios. Em nada perde para os grandes e imortais clássicos. Não é um livro a ser lido, é uma obra a ser sentida.

Esqueça os olhos, a parte do seu corpo que lê as páginas de “Cela de Papel” é a alma.
Já aviso, não é um livro para leitores amadores, é para aqueles cujo prazer da leitura corre nas veias, aqueles cujas palavras são petiscos para o prato principal: a inspiração plena. “Cela de Papel” não conta uma história definível por uma sinopse. É um apanhado de delírios unidos pelo talento do autor, Uili Bergamin. Já na introdução ele avisa o leitor que nada do que virá é convencional, clichê ou formulaico.

“Só peço perdão aos melindrosos pelo que aí segue. É que literatura não é apenas jogo de palavras. Literatura é emoção, é uma mistura de ingredientes. É vida recolhida em estado prenhe de dor, de amor e de saudade. A história em si (ou o gênero, ou a capa do livro) é apenas a porta de entrada para algo maior. Literatura é feita de palavras boas de se comer.”

Ainda antes de conhecermos um tanto mais do narrador – aquele de que nos tornamos íntimos e descobrimos depois que de fato nada sabíamos – o primeiro parágrafo da obra me fez parar e reler, repetidamente, por se tratar da definição perfeita do sentimento de qualquer contador de histórias.

“O difícil não é a gente ter boas ideias. Nem falar delas. Difícil mesmo é encontrar alguém, especial, que as ouça. No entanto, pior do que não ter a quem contar o que a gente sente, é contar o que a gente sente a quem não sente o que a gente conta. É dolorido. É o diabo.”

Sou leitora voraz, e quase nunca, nas centenas de livros que já devorei, me deparei com um parágrafo tão expressivo, tão ideal. Poucas vezes me senti tão compreendida, tão definida quanto a certeza da dor de quando nossas palavras se perdem no vácuo da ausência daqueles que não sentirão conosco. Mas a beleza da obra não para por aí. Embora com uma história totalmente não convencional, sem linearidade, noção de tempo ou definição exata de personagens (ao longo da obra vamos entendendo quem é quem, mas não há a princípio uma explicação que leve o leitor a acompanhar facilmente os relatos), por diversas vezes tive vontade de saber o que viria a seguir. Toque de mestre. Palmas ao autor. A maestria prossegue, até a grande surpresa, até o espetacular encerramento de uma das obras mais peculiares que já tive em minhas mãos. E em minha mente.

A obra é curta, possível de ser lida em um fôlego só. Não o fiz; preferi degustar, como o próprio autor sugere ao transformar os capítulos em passo a passo para fazer um bolo. Degustei com imenso prazer e terminei lambendo os dedos. Quero mais.

Uma coisa posso dizer com total certeza e sem medo de cair em exagero: “Cela de Papel” mudou tudo. Trouxe-me uma enxurrada de inspiração e uma insaciável vontade escrever. Não que não a tivesse antes, mas agora me sinto livre no universo das palavras. Sinto-me menos presa à fórmulas, mesmo que isso soe pouco comercial e me dê poucas chances de um dia me tornar Best Seller. Seja como for, recomendo a obra como livro de cabeceira, para ler de uma vez só e beliscar de tempos em tempos, quando nada mais saciar sua fome de leitura.


22/01/2013

Compartilhe

 

Comentários:

Ainda não tive a honra de apreciar:Cela de Papel.O farei com honras,quando for possível.Mas o talento do autor é muito vivo em mim.Tive o prazer de ler, por duas vezes inclusive,seu livro: Contos de Amores Vãos.Magnífico!
O talento do autor também foi me apresentado através de seus poemas em:Do Útero do Mundo.Uili só colhe o que plantou,e o fez com maestria.Seja como autor, ou como pessoa e eu tenho o privilégio de conhecer os dois.Uili é,sem dúvida,um expoente.

Adriano Moreira. Escritor e poeta.
Adriano Moreira, Caxias do Sul 30/01/2013 - 18:15
A Márcia foi fundo e compreendeu o espírito do livro. Fico muito feliz pelo fato de, às vezes, encontrarmos leitores tão atentos. Estou muito lisonjeado com essas belas palavras. Oxalá outros leitores também enxerguem tanta beleza em minha Cela.
Uili Bergamin, Caxias do Sul 22/01/2013 - 11:38

Envie seu comentário

Preencha os campos abaixo.

Nome :
E-mail :
Cidade/UF:
Mensagem:
Verificação: Repita os caracteres "525311" no campo ao lado.
 
  

 

  Resenhas

As resenhas pubicadas no portal Artistas Gaúchos são de inteira responsabilidade dos articulistas. Se você deseja enviar um texto, entre em contato com o editor do portal. Não é necessário estar cadastrado no portal para enviar resenhas e a veiculação ou não é uma escolha editorial.

editor@artistasgauchos.com.br


Colunas de Resenhas:


Os comentários são publicados no portal da forma como foram enviados em respeito
ao usuário, não responsabilizando-se o AG ou o autor pelo teor dos comentários
nem pela sua correção linguística.


Copyright © msmidia.com







Cursos em Porto Alegre

Cursos de Escrita

Cursos para escritores

Confira cursos e oficinas exclusivos feitos especialmente para escritores ou aspirantes a escritores.

Mais informações


Cursos de Escrita

Oficinas literárias

Oficinas de criação literária e escrita criativa em Porto Alegre.

Mais informações

 


Livros em destaque

O Guardião da
Chave Dourada

Airton Ortiz

Fundamentos à prática de revisão de textos

A Fantástica Jornada do Escritor no Brasil

 

compre nossos livros na