artistasgauchos












Desenvolvido por:
msmidia

Sexo, a velha chama
José Carlos Laitano

Sexo, comida, sono, exercício físico. Não adianta negar, é só questão de tempo e o corpo exige sexo. Está certo, cada vez menos, vamos ser honestos. Podemos passar um bom tempo ingerindo apenas líquido, mas não esquecemos como mastigar, insiste o velho. Dizem que certas partes do corpo reagem à falta de uso. Os dentes, por exemplo, crescem demais sem a mastigação, a ponto de não se conseguir fechar a boca. Dizem também que outras partes vão diminuindo, parece que o nariz. Eu não acredito, já vi nariz muito pequeno, molezinho, quase escondido, mas permanece lá, cumprindo sua função.
 
Desejo é uma palavra interessante, diria que necessidade soa melhor. Sabe quando o estômago ronca, fica num vazio enorme, a boca salivando? Tudo em nosso corpo nos leva a comer, até pedra. Sexo – quem não sabe? – é a mesma coisa, chega um momento em que a natureza nos prepara de tal forma que, se não agirmos, ela, a natureza, trabalha por conta própria.
 
Mas natureza é natureza: sexo basicamente visa à procriação, à perpetuação da espécie. E temos a idade para isso, a idade da reprodução. Depois, o que sobra é mais cultural. Seio e bunda é cultural. Aprendemos – os homens – a valorizar essas partes, a excitação é visual, daí a saia curta, o decote, a boquinha pintada, o olhar arrasador – delas. Com índio não é assim e funciona da mesma forma. Cultural, minha gente. Viu como o assunto ficou chocho?
 
O desejo é composto de três ingredientes. Primeiro, o impulso, força primária e instintiva, puramente animal. Depois, a motivação. Aí entra o decote e tudo o mais. Vale também a fantasia. Mas a fantasia recompõe uma visão motivadora. Continua o decote. Por fim, o querer, autorização que o cérebro dá para que o impulso e motivação se realizem. Sem o querer, o impulso não vai adiante. A não ser, é claro, que estejamos numa ilha há mais de seis meses.
 
Se o problema é falta de impulso, o problema pode estar nos hormônios, uns comprimidos e bimba! Mulher é mais sujeita a isso, gravidez e parto são fatores que inibem os neurotransmissores no cérebro por causa da prolactina, responsável pela produção do leite materno. Daí o homem entra em quarentena e ainda dizem que gravidez é coisa de mulher; pode ser, mas o homem paga caro.
 
Pior é quando chega a menopausa, que minha tia chamava de outro nome. Na mulher, diminui o estrógeno, hormônio que a prepara, a deixa assim uma deusa. No homem, reduz a testosterona, hormônio do macho, também encontrado nas mulheres. Aí o macaco dança.
 
Continuando esse papo sem graça quanto ao desejo. As mulheres continuam a ser educadas muito mais para proteger-se das consequências do sexo do que para usufruir dele. Conversa de mãe com filha fala de gravidez, mãe solteira, homem sacana. Conversa de pai com filho pode ser assim: faz longe de casa e não dá endereço.
 
Sexo é um tema muito difícil para ser enfrentado. Ou a gente parte para a sacanagem e já vai tratando das pernas da..., dos seios da..., meu Deus, um fim de semana em Gramado com a... ou viramos médicos, conversa séria, argumentos científicos, a roda vai esvaziando, os amigos saindo pelos fundos, alguém comenta que estamos estranho, será que virou a casaca? E ninguém mais aceita o chopinho no bar, sai pra lá coisa ruim!
 
Mulher gosta desse papo mais científico, ela dá nomes sérios e bem postos para as partes do corpo, conversa como usar o sabonete, a última visita à ginecologista, tudo isso com uma alegria como se estivesse contando viagem à Paris. E a gente não consegue entender como elas podem achar graça com tais assuntos.
 
Daí que a velha natureza inventou a coisa mais sábia do mundo: reunião social de casais: homens de um lado, mulheres de outro. Enquanto elas tratam de perfumes, sabonetes e ginecologistas, filhos, empregadas, essas coisas! ... os homens preocupam-se com o essencial: a motivação (mulher). Porque impulso e querer nunca faltam.
 
Claro, estou falando de gente jovem.

12/05/2017

Compartilhe

 

Comentários:

Envie seu comentário

Preencha os campos abaixo.

Nome :
E-mail :
Cidade/UF:
Mensagem:
Verificação: Repita os caracteres "312710" no campo ao lado.
 
  

 

  José Carlos Laitano

José Carlos Laitano é escritor, colunista em jornal e professor em oficina literária. Possui 23 livros publicados nos gêneros romance, contos, poesia e ensaio.

josecarloslaitano@yahoo.com.br
www.josecarloslaitano.com.br/


Colunas de José Carlos Laitano:


Os comentários são publicados no portal da forma como foram enviados em respeito
ao usuário, não responsabilizando-se o AG ou o autor pelo teor dos comentários
nem pela sua correção linguística.


Copyright © msmidia.com







Cursos em Porto Alegre

Cursos de Escrita

Cursos para escritores

Confira cursos e oficinas exclusivos feitos especialmente para escritores ou aspirantes a escritores.

Mais informações


Cursos de Escrita

Oficinas literárias

Oficinas de criação literária e escrita criativa em Porto Alegre.

Mais informações

 


Livros em destaque

O Guardião da
Chave Dourada

Airton Ortiz

Fundamentos à prática de revisão de textos

A Fantástica Jornada do Escritor no Brasil

 

compre nossos livros na