artistasgauchos









Desenvolvido por:
msmidia

Natal sem Arte, sem Pão, mas com Circo
Lívia Petry

              Caro leitor, peço desculpas adiantadas por não escrever um texto de Natal estilo “Polyanna” ou “La Vie em Rose” (a vida cor de rosa), em que tudo soa como sinos badalando e vemos alegria nos rostos das crianças. Esta crônica me saiu assim, amarga...porque este é o meu espaço para algumas reflexões sobre o Natal e o ano de 2016 que chega a seu fim.

          Quanto ao ano que chega ao fim, digo que o que me faz acreditar na humanidade é quando vejo os jovens se articulando e vários setores da educação e da classe média do país unindo-se em prol de reivindicações sobre a cultura e a educação. Quando vejo as pessoas saindo às ruas por melhores condições de vida, para que o Estado passe a agir e a existir de fato.

           E o que me entristece? A surdez monumental dos políticos, que fazem o que bem entendem dentro e fora do Congresso Nacional, e aqui no Rio Grande, dentro e fora do Palácio Piratini e da Assembleia Legislativa. A surdez dos políticos é tão grande, que num período de crise econômica e institucional do país, eles se locupletam com aumentos, e, não bastassem os seus aumentos, ainda inflacionam outros setores já muito bem pagos. Enquanto isso, temos greves de policiais, professores, médicos...porque ninguém aguenta mais arriscar a própria vida, ou pegar dois ônibus e trabalhar 40 horas em escolas diversas, ou ainda atender gente morrendo pelos corredores do SUS, sem ter um mínimo retorno que seja para o pão nosso de cada dia.

           Do mesmo modo que os cidadãos comuns já não aguentam mais ser taxados, pagar impostos e não ter nada em retorno, tampouco os artistas e aqueles que patrocinam as artes aguentam o tirão da crise. Neste ano de 2016, com pesar, 2 livrarias de bairro, famosas por seus cursos e saraus, a SapereAude  e a Palavraria, fecharam as portas. Além disso, as editoras, pequenas e grandes, estão também tomando o mesmo caminho: a Cosac&Naif deixou de existir, e outras editoras se não deixaram de existir, pelo menos não avançam em publicar e patrocinar novos projetos de livros. Ou seja, num país onde os livros perdem importância, as artes já não são mais patrocinadas por ninguém e o que sobra é o entretenimento grosseiro, teremos em breve um batalhão de cidadãos inebriados pelo pagode e pelo funk e pelas drogas, e jamais cidadãos pensantes, críticos, capazes de mudar o estado das coisas. A quem serve a ignorância de um povo? Aos “Salvadores da Pátria”, de plantão, aos corruptos, aos políticos da pior espécie...Como já diziam os Romanos, para governar é preciso dar “pão e circo ao povo”.  Bem, como “pão” temos o já roto bolsa família...e como circo? O espetáculo de fogos e samba e axé que foi da meia-noite do dia 24 até as 7:30 da manhã do dia 25 na Concha Acústica – perto da beira-rio de Porto Alegre. Eu pergunto ao caro leitor: quem patrocinou o espetáculo do povão? A resposta é: todos nós!

              Finalizo esta crônica, um tanto amarga, é verdade, dizendo que apesar de tudo, ainda vejo uma luz no fim do túnel. Nosso país passa por grandes transformações, talvez seja esta a hora de nos empenharmos em sermos cada vez mais voz ativa e não passivos diante de uma tela de TV. Digo, que apesar de tudo, ainda acredito na Educação e na Cultura como saídas viáveis para o nosso povo e a nossa nação. Que possamos em 2017 erguer estas duas bandeiras. E que este Natal sirva para nos alertar do que realmente necessitamos. Como já dizia uma música dos Titãs, “O homem não quer só comida, ele quer comida, diversão e ARTE” ( se estou bem lembrada, é claro!) Enfim, que a Arte e a Espiritualidade sejam nossos pilares, junto com a Educação e a Ética na construção de um Ano Novo, de um país diferente, de um mundo novo. 


26/12/2016

Compartilhe

 

Comentários:

Bom dia
Livia acho que tens razão nas tuas criticas mas penso que o pagode e o funk tem seu lado positivo, eu gosto de ouvir esses estilos de música e também aprecio a boa literatura.
parabéns
dionizia portella ghiggi, pelotas/rs 29/12/2016 - 09:49
O que me dá Esperança, Lívia, é que os escritores, artistas, professores, cientistas,etc. continuam fazendo o que lhes compete, pois a sua missão é como uma tocha que não se apagará jamais.
Aglaé Machado de Oliveira., Porto Alegre-RS 28/12/2016 - 17:24

Envie seu comentário

Preencha os campos abaixo.

Nome :
E-mail :
Cidade/UF:
Mensagem:
Verificação: Repita os caracteres "470709" no campo ao lado.
 
  

 

  Lívia Petry Jahn

Lívia Petry Jahn nasceu em Porto Alegre, RS, a dez de novembro de 1971. É formada em Letras- Português e Literaturas de Língua Portuguesa pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, UFRGS. É Pós-Doutoranda em Literatura Portuguesa e Luso-Africanas na UFRGS. Tem também uma Especialização não concluída em Arteterapia no Instituto da Família de Porto Alegre (INFAPA).

liviajahn@gmail.com
www.liviapetry.com.br


Colunas de Lívia Petry Jahn:


Os comentários são publicados no portal da forma como foram enviados em respeito
ao usuário, não responsabilizando-se o AG ou o autor pelo teor dos comentários
nem pela sua correção linguística.


Copyright © msmidia.com







Cursos em Porto Alegre

Cursos de Escrita

Cursos para escritores

Confira cursos e oficinas exclusivos feitos especialmente para escritores ou aspirantes a escritores.

Mais informações


Cursos de Escrita

Oficinas literárias

Oficinas de criação literária e escrita criativa em Porto Alegre.

Mais informações

 


Apoio Cultural