artistasgauchos









Desenvolvido por:
msmidia

VIDA “BETA”
Paulo Tedesco

Ainda que reflitamos animadamente sobre as novas capacidades do pensar e fazer em processo quase simultâneo, como havia dito em texto anterior, nos provoca também o inacabado como resultado dileto deste momento; espécie de efeito colateral irreversível, dada à simplificação que se tornou o fazer.

 E do que falo? Ora, se o pensar propiciou um acontecer de razoável usabilidade, o não acabamento, o incompleto, o nunca acabado, me parece que é o que se sobressai ao fim.

O tal “beta”, termo usado para um produto experimental e em fase de testes, nada mais é do que um primeiro estágio do inacabado que usávamos; um inacabado que seguiria até outro estágio de inacabamento, ou até que fosse designado como uma última versão, ou mesmo descontinuado por seus criadores e, em seguida, retomado sob outro molde e uso. Resumindo, um produto sempre consumido de forma incompleta e carente de totalização.

A implicação para nosso cotidiano talvez, e possivelmente, nada interferiria na vida, afinal uma planilha de contas pessoais não exige muito nesses momentos, e o que dela se extrai é mais do que o suficiente. Mas, e se pensássemos, repentinamente, que tudo ou quase tudo que consumimos começou a ser “beta”?

A obsolescência programada, ou o desuso programado dos aparelhos eletrodomésticos que compramos, para que nos obriguemos a comprar outro novamente, é um fato que parece dar certa concretude a essa vida “beta”.

As empresas que desenvolvem televisores e celulares, para manter sua lucratividade, face ao surgir constante de atualizações, se valem dessa “incompletude” ou semi-acabamento das coisas para dar retorno cada vez maior e melhor a seus acionistas. O que justificaria preços e margens sempre maiores do que as anteriores.

Essa a lógica cartesiana que a modernidade líquida terminou por nos apresentar: um rosto novo mas de interior envelhecido ainda que no berço. Conquistamos a capacidade jamais de vista de processar mudanças e aprimorar nossas vidas em poucos segundos e a custos cada vez menores, porém e infelizmente temos privadas indústrias de massa, estabelecidas como intermediadoras de boa parte de nosso consumo, de nossa felicidade “beta”, que talvez nunca seja “alfa” para o resto dos tempos.

 

 

 


05/08/2015

Compartilhe

 

Comentários:

Envie seu comentário

Preencha os campos abaixo.

Nome :
E-mail :
Cidade/UF:
Mensagem:
Verificação: Repita os caracteres "243704" no campo ao lado.
 
  

 

  Paulo Tedesco

É escritor de ficção, cronista e ensaísta, atua como professor e desenvolvedor de cursos em produção editorial e consultoria em projetos editoriais, também como orientador em projetos de inovação em diferentes setores. Trabalhou nos EUA, onde viveu por cinco anos, nas áreas de comunicação impressa, indústria gráfica e propaganda. É autor dos livros Quem tem medo do Tio Sam? (Fumprocultura de Caxias do Sul, 2004); Contos da mais-valia & outras taxas (Dublinense, 2010) e Livros: um guia para autores (Buqui, 2015). Desenvolveu e ministra o curso de Processos Editorais na PUCRS e coordena o www.consultoreditorial.com.br atendendo autores e editores. Pode ser acompanhado pelo seu site, pelo Facebook ou pelo Twitter.

www.consultoreditorial.com.br

paulotedesco@hotmail.com
www.paulotedesco.com.br/
https://www.facebook.com/paulotedescoescritor?ref=bookmarks


Colunas de Paulo Tedesco:


Os comentários são publicados no portal da forma como foram enviados em respeito
ao usuário, não responsabilizando-se o AG ou o autor pelo teor dos comentários
nem pela sua correção linguística.


Copyright © msmidia.com







Cursos em Porto Alegre

Cursos de Escrita

Cursos para escritores

Confira cursos e oficinas exclusivos feitos especialmente para escritores ou aspirantes a escritores.

Mais informações


Cursos de Escrita

Oficinas literárias

Oficinas de criação literária e escrita criativa em Porto Alegre.

Mais informações

 


Apoio Cultural