artistasgauchos









Desenvolvido por:
msmidia

Literatura

A hora e a vez do autor-editor
Paulo Tedesco

Quando morei nos Estados Unidos, um amigo, vendo minhas ininterruptas horas de labuta dia após dia traduzidas nos diferentes carros que trocava (eram, afinal, meu principal instrumento de trabalho e se desgastavam com a quantidade de milhas percorridas em entregas de comida e visitas a clientes cada vez mais distantes) e meus negócios, que começavam a caminhar além dos empregos que detinha, comentou que não entendia o brasileiro. Na sua americana visão, era gente que desembarcava semi-analfabeto (poucos falavam a língua do país e menos ainda escreviam), quase sem dinheiro mas em curto tempo estavam vivendo com certa normalidade. Lembro que frisou: e não falo de gente que enriqueceu, dinheiro não significa trabalho, falo da maneira de fazer acontecer do povo; há muitas leis aqui na América, obstáculos são inúmeros e vocês se viram!

Assistindo a mais uma das inúmeras reportagens televisivas sobre o recente terremoto no Japão, encontro a notícia que parecia dar prosseguimento àquela conversa de anos atrás. Haviam se passado pouco mais de 72 horas do terremoto e tsunami, e um grupo de pessoas numa área não atingida pelos fenômenos, unia-se para providenciar mantimentos e ajuda. A jornalista, brasileira, aproximou-se do grupo e informou, diante daquele caminhão, que todos ali eram brasileiros, sem exceção, e todos se empenhavam por recolher e entregar donativos às vítimas em outro ponto da ilha. Obviamente intrigada, a repórter perguntou ao rapaz que empunhava caixas: mas, e os japoneses, onde estão? A resposta não poderia ser mais surpreendente: eles dizem que muitos navios estão a caminho carregando o devido socorro, era desnecessário envolvimento maior.

Hoje, apesar de vermos sinais acelerados de reconstrução no Japão, – o que dá certa razão aos que não se empenharam pois tudo aconteceria dentro de um planejamento – e face à extensão da tragédia e o baixo número de vítimas, as coisas estão funcionando. A entrevista surpreendeu, sem dúvida. Sobre meu amigo americano, lembro que me esforcei em dizer que por sermos de um país de um longo histórico de instabilidade econômica e social, para nós se fazia necessário uma constante e boa dose de astúcia e habilidade, logo, viver nos Estados Unidos com ou sem dinheiro, legal ou ilegal, analfabeto ou não, não seria muito diferente do que sobreviver em qualquer grande cidade brasileira.

Contei toda essa história, na verdade, para chegar ao que se liga à conjuntura no mundo dos livros. É o conhecimento sobre a importância de ser autor e editor que fará a diferença num mundo caótico e em transformação, mundo que gosta de números e pouca qualidade em conteúdo. Fosse hoje, responderia ao amigo americano que somos o que somos, mas nossa autodeterminação e descrença nas grandes estruturas (privadas ou públicas) nos fez aprender a fazer e acontecer, do contrário, desapareceríamos nos grotões dessa nação continental.
 


05/04/2011

Compartilhe

 

Comentários:

Gostei muito da cronica.

Abraço fraterno
Lecy Cardoso, Guaiba 13/04/2011 - 22:47
Muito bacana sua crönica. Tamb~em morei no exterior (Londres) e sei como as coisas funcionam...Abraço
Le
PS.: Se tiver um tempinho, visite minha página nesse site (entre os compositores)
Le Daros, Caxias 13/04/2011 - 15:29

Envie seu comentário

Preencha os campos abaixo.

Nome :
E-mail :
Cidade/UF:
Mensagem:
Verificação: Repita os caracteres "051010" no campo ao lado.
 
  

 

  Paulo Tedesco

É escritor de ficção, cronista e ensaísta, atua como professor e desenvolvedor de cursos em produção editorial e consultoria em projetos editoriais, também como orientador em projetos de inovação em diferentes setores. Trabalhou nos EUA, onde viveu por cinco anos, nas áreas de comunicação impressa, indústria gráfica e propaganda. É autor dos livros Quem tem medo do Tio Sam? (Fumprocultura de Caxias do Sul, 2004); Contos da mais-valia & outras taxas (Dublinense, 2010) e Livros: um guia para autores (Buqui, 2015). Desenvolveu e ministra o curso de Processos Editorais na PUCRS e coordena o www.consultoreditorial.com.br atendendo autores e editores. Pode ser acompanhado pelo seu site, pelo Facebook ou pelo Twitter.

www.consultoreditorial.com.br

paulotedesco@hotmail.com
www.paulotedesco.com.br/
https://www.facebook.com/paulotedescoescritor?ref=bookmarks


Colunas de Paulo Tedesco:


Os comentários são publicados no portal da forma como foram enviados em respeito
ao usuário, não responsabilizando-se o AG ou o autor pelo teor dos comentários
nem pela sua correção linguística.


Copyright © msmidia.com







Cursos em Porto Alegre

Cursos de Escrita

Cursos para escritores

Confira cursos e oficinas exclusivos feitos especialmente para escritores ou aspirantes a escritores.

Mais informações


Cursos de Escrita

Oficinas literárias

Oficinas de criação literária e escrita criativa em Porto Alegre.

Mais informações

 


Apoio Cultural