artistasgauchos









Desenvolvido por:
msmidia

Literatura

O que há de comum nas diferenças
Cássio Pantaleoni

Amigos,

Estamos à borda da tão debatida Copa do Mundo de Futebol no Brasil.

Bem antes, as discussões acerca dos benefícios ou dos descabimentos desse evento diluíram um tanto dessa paixão legitimamente brasileira. Contudo, distantes das implicações políticas e mercadológicas, a Copa do Mundo, em sua essência mais primitiva, no assim denominado “velhos tempos do futebol”, visava a celebração das diferenças entre os povos, restringindo-as às habilidades desportivas de cada país. Algo bem mais saudável do que transformar a Copa em baluarte de intenções políticas.

Talvez o nosso olhar, agora, deva se deter nas essências, para não corrermos o risco de nos deixar impregnar por desvios que muito mais nos diminui, enquanto apreciadores dessa prática que nos fez conquistar tantos títulos internacionais – o futebol.

Convém, entretanto, demorar-se na questão das diferenças. Sobretudo naquela que é a diferença humana essencial: o olhar.

“Olhar” aqui refere a perspectiva, o modo de perceber, avaliar, pesar e julgar as coisas do mundo. Essencialmente, cada um de nós colabora com a sua perspectiva mais própria para conformar aquela área comum que constitui a nossa concepção coletiva de mundo.

No campo literário não é diferente. O bom escritor incrusta nas páginas o seu modo de ver uma história, concedendo espaço para que a perspectiva do leitor reinaugure a história ao seu modo. No entanto, a história escrita e a história lida estão unidas pelo que há de comum na diferença – a concepção coletiva de mundo.

 Essa concepção coletiva de mundo não é senão o espaço concessório, o espaço que sobra ileso de toda e qualquer diferença perspectiva. Dito de modo mais simples – só há mundo quando estamos de alguma maneira "de acordo”.

Nesse acirramento político que ora se assoberba no país do futebol, onde o aquecimento das discussões se dá pela radicalização das perspectivas, creio que nós, escritores, temos uma função importante. Não somente o olhar diferente, mas o olhar para o que há de comum nas diferenças – a sociedade e seus anseios de justiça, de igualdade, de fraternidade, de liberdade, de ordem e progresso. E penso assim porque entendo os escritores como agentes de uma concessão que, em sua origem, promove o entendimento. Conceder espaço ao outro – ao leitor – é o que revigora uma história. E a história política de nosso país demonstra – é no espaço comum da democracia, nesse espaço liberto de perspectivas não radicais, que o exercício da liberdade está garantido. Só aí.


01/07/2014

Compartilhe

 

Comentários:

Envie seu comentário

Preencha os campos abaixo.

Nome :
E-mail :
Cidade/UF:
Mensagem:
Verificação: Repita os caracteres "014605" no campo ao lado.
 
  

 

  Cássio Pantaleoni

Cássio Pantaleoni nasceu em agosto de 1963, em Pelotas, Rio Grande do Sul. Escritor, Mestre em Filosofia pela PUCRS e profissional da área de Tecnologia da Informação. Vencedor do II Premio Guavira de Literatura, na categoria conto, em 2013, com o livro “A sede das pedras”; finalista do Jabuti de 2015 com a novela infanto-juvenil “O segredo do meu irmão”. Segundo lugar na 21a. Edição do Concurso de Contos Paulo Leminski; duas vezes finalista no Concurso de Contos Machado de Assis, do SESC/DF; duas vezes finalista no Premio da Associação Gaúcha de Escritores (AGES). Desenvolve workshops sobre leitura, técnicas de escrita ficcional e filosofia aplicada à literatura. Obras Publicadas: “De vagar o sempre” – Contos – 2015, “O segredo do meu irmão” – Novela infantojuvenil – 2014, “A corda que acorda” – Infantil – 2014, “A sede das pedras” – Contos – 2012, “Histórias para quem gosta de contar histórias” – Contos – 2010, “Ninguém disse que era assim” – Novela – 2006, “Os despertos” – Novela – 2000.

cassio@8inverso.com.br
www.sextadepalavras.blogspot.com
https://www.facebook.com/cassio.pantaleoni.9


Colunas de Cássio Pantaleoni:


Os comentários são publicados no portal da forma como foram enviados em respeito
ao usuário, não responsabilizando-se o AG ou o autor pelo teor dos comentários
nem pela sua correção linguística.


Copyright © msmidia.com







Cursos em Porto Alegre

Cursos de Escrita

Cursos para escritores

Confira cursos e oficinas exclusivos feitos especialmente para escritores ou aspirantes a escritores.

Mais informações


Cursos de Escrita

Oficinas literárias

Oficinas de criação literária e escrita criativa em Porto Alegre.

Mais informações

 


Apoio Cultural