artistasgauchos









Desenvolvido por:
msmidia

Literatura

Desastres editoriais
Paulo Tedesco

Desastres são a bendição ao caos. As chuvas torrenciais e intermitentes que fez com milhares de sapos tomassem conta das ruas de Macondo, bendizeram o sangue e as mortes ocorridas após a repressão multinacional aos grevistas das plantações de banana, e Gabo, em Cem Anos de Solidão, soube mostrar como poucos a força de um desastre e da nova vida que se seguiu. Um outro autor, estreante porém de vigor, Guido Koptike, no seu Enchentes, também trouxe a força das águas para limpar e propiciar terreno novo, reacomodando os espíritos e desejos, outrora turbilhonados em interesses de uma sociedade em transformação.

Para o Haiti, devastado pelo terremoto de 2010, espera-se a reconstrução e a lenta mas segura retomada; para o norte do continente africano, em seu desastre político, espera-se também a reconstrução, democrática e soberana, acima de tudo. Outros tantos desastres nos esperam, de ordem social ou naturais como os mais recentes de São Lourenço do Sul, Japão e Nova Zelândia, e tantos outros ainda serão enfrentados e superados para que a humanidade siga adiante.

Pois desastre é o que se avizinha ao mundo editorial e autoral. A transmutação da circulação do conteúdo escrito para o digital, outrora restrita a jornais, revistas e livros de papel, faz ares de desastre para um mercado sonolento mas poderoso em números. Livreiros, editores e distribuidores, somados há não muitos autores que conquistaram espaço no rico e muito exclusivo mercado editorial, demonstram sinais de preocupação diante da tsunami digital que vem varrendo suas plácidas e monopólicas areias, repletas de direitos autorais e pacíficos acordos encapsulados em dóceis conchinhas.

Não estou sozinho ao afirmar que o mundo editorial-livreiro tremerá em 8.9 graus na escala Richter quando os leitores digitais, seja sob a forma que for, forem gratuitos ou de valor baixo o suficiente para serem adquiridos em algum camelódromo do centro de qualquer grande cidade (faz pouco soube que na rica Europa também existem consistentes camelódromos). A indústria da música, após a fenomenal burrada de haver incentivado a troca do vinil pelo CD como uma nova forma de revender pela enésima vez e sob lucrativíssimos preços todo seu empoeirado catálogo, percebendo o estrago provocado pela digitalização do seu ganha-pão, sai agora a difundir aos quatro ventos e quixotescamente, o valor do disco de vinil frente ao modelo digital por eles mesmos incentivados ad nausean. Parece piada, mas não é.

Faço, por fim, a seguinte pergunta, para onde correrão os poderes políticos e econômicos da atual indústria, quando a livre troca de conteúdo escrito predominar? Quererão rasgar os contratos de direitos autorais? Farão clubinhos escravizando autores e textos para quem puder pagar e poder lê-los com exclusividade? Ou se reinventarão a tempo de compreender que a gestão sobre os direitos de conteúdo diz respeito acima de tudo à formação cultural de toda a humanidade? Em outras e derradeiras palavras, o conteúdo livre somado ao escritor profissionalizado e bem remunerado, serão entendidos como sinônimo de educação acessível e propulsora de novos conhecimentos, sem restrições de poder aquisitivo mundo afora? Teremos instrumentos de auto-educação livremente difundidos? Ou nos arrastaremos nessa tediosa lenga-lenga do fim do livro e da revisão das leis que já deviam ter sido revisadas dez anos atrás? Prefiro esperar a tempestade.


17/03/2011

Compartilhe

 

Comentários:

Nélsinês, um escritor profissionalizado e bem remunerado é aquele que recebe pelo que faz, que participa de forma intensiva e dedicada na produção de bens culturais. Pode ser sob a forma de empregado (no caso da indústria do cinema e das grandes TVs é corrente escritores assalariados que fazem roteiros mas que também imprimem seus livros), pode ser sob a forma de contratos de longo termo com editoras ou empresas de comunicação (estatais ou não) ou ainda nessa velha e carcomida fórmula de "escritor liberal", desde que tenham seus direitos básicos respeitados e incentivados. Minha ideia é ampla no sentido de apontar que o estado assim como as entidades ligadas à cultura, junto com aqueles que desejam se profissionalizar, precisam encontrar uma equação justa e inteligente para o que se acerca. Se o MInC fez consulta pública para mudar os direitos autorais, devemos seguir o mesmo caminho e discutir formas de remunerar os escritores e dar possibilidades para que a profissão se materialize.
paulo tedesco, porto alegre 24/03/2011 - 11:52
E como se processaria este sistema de "Escritor profisionalizado e bem remunerado"? Seria uma espécie de "empregado contratado para escrever"? Tenho muita curiosidade e interesse em entender essa idéia (não consigo conceber idéia sem acento) e talvez até apoiá-la. Daria para explicitar isso neste espaço?
Nélsinês, Canoas/RS 23/03/2011 - 23:44
Também acho que um terremoto terapêutico se encarregará de apontar os novos rumos do mercado editorial. Parabéns, Paulo, por esta visão clara dos humores que enfrentarão todas as coisas escritas e publicadas.
Guido Martin Kopittke, Porto Alegre/RS 23/03/2011 - 20:27

Envie seu comentário

Preencha os campos abaixo.

Nome :
E-mail :
Cidade/UF:
Mensagem:
Verificação: Repita os caracteres "125905" no campo ao lado.
 
  

 

  Paulo Tedesco

É escritor de ficção, cronista e ensaísta, atua como professor e desenvolvedor de cursos em produção editorial e consultoria em projetos editoriais, também como orientador em projetos de inovação em diferentes setores. Trabalhou nos EUA, onde viveu por cinco anos, nas áreas de comunicação impressa, indústria gráfica e propaganda. É autor dos livros Quem tem medo do Tio Sam? (Fumprocultura de Caxias do Sul, 2004); Contos da mais-valia & outras taxas (Dublinense, 2010) e Livros: um guia para autores (Buqui, 2015). Desenvolveu e ministra o curso de Processos Editorais na PUCRS e coordena o www.consultoreditorial.com.br atendendo autores e editores. Pode ser acompanhado pelo seu site, pelo Facebook ou pelo Twitter.

www.consultoreditorial.com.br

paulotedesco@hotmail.com
www.paulotedesco.com.br/
https://www.facebook.com/paulotedescoescritor?ref=bookmarks


Colunas de Paulo Tedesco:


Os comentários são publicados no portal da forma como foram enviados em respeito
ao usuário, não responsabilizando-se o AG ou o autor pelo teor dos comentários
nem pela sua correção linguística.


Copyright © msmidia.com







Cursos em Porto Alegre

Cursos de Escrita

Cursos para escritores

Confira cursos e oficinas exclusivos feitos especialmente para escritores ou aspirantes a escritores.

Mais informações


Cursos de Escrita

Oficinas literárias

Oficinas de criação literária e escrita criativa em Porto Alegre.

Mais informações

 


Apoio Cultural