artistasgauchos












Desenvolvido por:
msmidia

Artes Cênicas

Pois é, vizinha...
Isabel Bonorino

Dezoito anos. Ela já alcançou a maioridade e um público de mais de quinhentas mil pessoas. Pois é, vizinha, que contabilizou 547 apresentações na curta temporada no Teatro Bruno Kieffer, durante a 12ª edição do Porto Verão Alegre, apresenta para quem quiser ver um drama disfarçado de comédia.


Não sei se muda alguma coisa para quem ainda não assistiu ao espetáculo Pois é, vizinha, adaptação da atriz e diretora Deborah Finocchiaro para o texto Una Donna Sola (obra dos italianos Dario Fo e Franca Rame, 1977) ou mesmo para quem já viu, saber que a peça é na verdade um grande drama. Óbvio que o texto na boca de Finocchiaro fica engraçado e que a protagonista o colore mais ainda, mas os absurdos pelos quais passa me lembram inclusive aquele quadro do “Primo rico e primo pobre”, onde rimos da desgraça do pobre e da insensibilidade do rico.
 

Da mesma forma, Pois é, vizinha diverte pela insensibilidade de Maria, que é a própria vítima da trama. A personagem é uma dona de casa, que provavelmente sofre de algum distúrbio psicológico, pois é maltratada, agredida e humilhada pelo marido Aldo, mas mesmo assim está sempre feliz. (Pode, arnALDO? A mulher apanha e é feliz??) Além disso, Maria é abusada e se deixa abusar sexualmente pelo cunhado doente, com a permissão do marido, em uma atitude no mínimo doentia também. Ela se acostumou à situação e acha tudo aceitável, já que tem tudo que precisa dentro de casa. O monólogo só é quebrado quando o cunhado resolve dar o ar da graça com seus resmungos, e aí você pode até se questionar se essa vizinha de Maria existe mesmo ou é apenas uma alucinação. Afinal, Ana, a hipotética vizinha, não aparece e se quer ouvimos sua voz. Quem em uma situação dessas ficaria alegre estando trancada como uma prisioneira dentro da própria casa? E que pessoa mais desprovida de sorte é Maria, pois além de ter um marido agressivo, ainda tem um vizinho sacana que a observa pela janela, um tarado que faz ligações obscenas e, para completar, o cunhado abusado? Sem contar que apesar disso tudo ainda conseguiu a proeza de fazer o professor de inglês se apaixonar por ela.. Ou será que tudo isso não passa de uma alucinação?

Enfim, foi essa a personagem que Fo e Rame construíram e a quem facilmente a talentosa Deborah Finocchiaro deu vida. Aliás, muita vida, tanta que não me espantará se daqui a uns anos a Maria gaúcha recorrer à lei da sua xará (da Penha) e fugir logo no começo do ato com o professor gato. Ela é forte e teoricamente saudável (ou louca o suficiente para fazer isso); quem sabe um dia conseguirá o grande feito e mudará a propria história? Tentei contato com Franca Rame para saber se Maria nasceu com um parafuso a menos ou se é normal, mas ela ainda não respondeu. Queria saber mais sobre a criação dela e da vizinha, afinal, se há anos era normal saber os nomes dos vizinhos e papear com eles, em pleno 2011, no máximo damos educadamente um tímido “oi” para eles. E, contraditoriamente, apesar de não ser comercial, o título da peça acaba atraindo público por todo o local onde passa e não é difícil entender o por quê: Finocchiaro é uma ótima atriz e a produção é cuidadosa. As pessoas vão para vê-la; a vizinha é conhecida por consequência, pois provavelmente o público não se identifica com o tema. Deborah aproveita para carregar o sotaque gaúcho, abusa das caras, bocas e vozes e confessa que Maria já tem muito do seu jeito também. Sendo assim, a cada ano, Maria amadurece e o público se transforma; somos todos seus vizinhos, e rir o tempo todo agora pode ser opcional.


09/02/2011

Compartilhe

 

Comentários:

Assisti a peça e, como a maioria dos espectadores, ri das histórias de Maria - mas agora, lendo o texto, refleti sobre os dramas da personagem que, apesar de tudo, não perde o bom humor! Parabéns à produção do espetáculo e ao site pelo enfoque do texto. Abs!
Gabriel, Porto Alegre - RS 10/02/2011 - 00:09

Envie seu comentário

Preencha os campos abaixo.

Nome :
E-mail :
Cidade/UF:
Mensagem:
Verificação: Repita os caracteres "482105" no campo ao lado.
 
  

 

  Isabel Bonorino

Isabel Bonorino é jornalista, radialista e relações públicas. Musicista, dedicou-se ao canto lírico de 1995 a 2005, atuando como soprano nos corais da Ospa e PUC. Foi colaboradora da Revista Literária Blau e produtora/apresentadora na Rádio da Universidade, onde criou o programa "UFRGS em Canto". Atualmente é produtora e repórter da TV Assembléia.

isabel@artistasgauchos.com.br
twitter.com/ISAbonorino


Colunas de Isabel Bonorino:


Os comentários são publicados no portal da forma como foram enviados em respeito
ao usuário, não responsabilizando-se o AG ou o autor pelo teor dos comentários
nem pela sua correção linguística.


Copyright © msmidia.com







Cursos em Porto Alegre

Cursos de Escrita

Cursos para escritores

Confira cursos e oficinas exclusivos feitos especialmente para escritores ou aspirantes a escritores.

Mais informações


Cursos de Escrita

Oficinas literárias

Oficinas de criação literária e escrita criativa em Porto Alegre.

Mais informações

 


Livros em destaque

O Guardião da
Chave Dourada

Airton Ortiz

Fundamentos à prática de revisão de textos

A Fantástica Jornada do Escritor no Brasil

 

compre nossos livros na