artistasgauchos












Desenvolvido por:
msmidia

Feira do Livro de quem?
Paulo Tedesco

As vendas realizadas na Feira do Livro de Porto Alegre estão caindo ao longo dos últimos cinco anos? Sim, os números não mentem. O que motiva esse texto, porém, são os números que não aparecem e também o desejo de expor um novo pensamento, frente ao debate que se estabeleceu sobre os destinos da nossa Feira do Livro.

No ano passado dizia-se que a venda caíra, mas, em seguida, que os valores unitários haviam aumentado. É legítimo imaginar, portanto, que esse ano o fenômeno tenha se repetido, e, muito provavelmente se aprofundado, visto o inegável aumento do poder de consumo de uma boa parcela da população brasileira. Pode-se dizer, então, que o que entrou em queda nas vendas foram os livros importados e impressos na China para crianças (produtos de baixo valor que se encontrava facilmente no comércio informal da cidade)  além de alguns feitos por aqui que até então inflacionavam os números da Feira (algo típico de um país que a muito se arrastava numa crise econômica). 


Em outra frente, não há como esquivar-se diante do jogo de questionar os rumos da Feira, sobre os verdadeiros interesses na publicidade do assunto. A quem interessa questionar a ausência das listas diárias dos mais vendidos? A quem interessa dizer que a Feira perdeu o sentido? Que por haver muito evento paralelo,  somados às novas modas de consumo, acabaram por esvaziar a praça? Tudo leva a crer que somente aos que precisam da estandartização do consumo como alavancador de seus investimentos, é que interessa o alarido. As pequenas editoras e livrarias, os projetos independentes, os autores e autores-editores, a esses o que interessa é a possibilidade de também fazer parte desse consumo, cada vez mais restrito às grandes lojas e centros de consumo.


Ora, a diversidade da Feira e sua feliz adaptação ao tecido da urbe, sua abertura à população sem qualquer tipo de restrição ao ingresso, são os pilares desse importante  evento da cena cultural brasileira. Fica aqui um manifesto em defesa da Feira, da sua tradição e principalmente de sua proposta máxima em promover o livro e a leitura como bens universais e promotores da legítima cultura de um povo.

16/12/2009

Compartilhe

 

Comentários:

Eu também acho que o nome da Feira e a sua tradição na arte de divulgar o livro e incentivar a leitura, como bens universais que são, devem ser defendidos sempre! Um abraço!
Jefferson Dieckmann, Curitiba - PR 17/12/2009 - 14:31

Envie seu comentário

Preencha os campos abaixo.

Nome :
E-mail :
Cidade/UF:
Mensagem:
Verificação: Repita os caracteres "011212" no campo ao lado.
 
  

 

  Resenhas

As resenhas pubicadas no portal Artistas Gaúchos são de inteira responsabilidade dos articulistas. Se você deseja enviar um texto, entre em contato com o editor do portal. Não é necessário estar cadastrado no portal para enviar resenhas e a veiculação ou não é uma escolha editorial.

editor@artistasgauchos.com.br


Colunas de Resenhas:


Os comentários são publicados no portal da forma como foram enviados em respeito
ao usuário, não responsabilizando-se o AG ou o autor pelo teor dos comentários
nem pela sua correção linguística.


Copyright © msmidia.com







Cursos em Porto Alegre

Cursos de Escrita

Cursos para escritores

Confira cursos e oficinas exclusivos feitos especialmente para escritores ou aspirantes a escritores.

Mais informações


Cursos de Escrita

Oficinas literárias

Oficinas de criação literária e escrita criativa em Porto Alegre.

Mais informações

 


Livros em destaque

O Guardião da
Chave Dourada

Airton Ortiz

Fundamentos à prática de revisão de textos

A Fantástica Jornada do Escritor no Brasil

 

compre nossos livros na